Na rede privada, intubação é feita com doentes amarrados por falta de insumos

Hospitais Particulares de Goias sofrem com falta de relaxantes musculares. Ahpaceg diz que novo carregamento com o medicamento deve chegar esta semana.

A falta de relaxantes musculares nos hospitais particulares de Goiás está fazendo com que profissionais de saúde tenham que amarrar pacientes para que eles sejam intubados. O medicamento é essencial para realizar o procedimento, tão necessário no casos agudos de síndromes respiratórias, e utilizado com frequência no tratamento de pacientes em estado grave por causa da Covid-19.

Os remédios, como o próprio termo sugere, provocam o relaxamento da musculatura e permite um melhor acesso à via aérea. Isso, aliado ao uso de outras medicações, faz com que o pessoa que está com dificuldade para respirar não sofra no momento da intubação. Sem os insumos adequados, esse processo se torna extremamente doloroso e médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem não têm outra saída a não ser amarrar o doente.

A técnica parece absurda para os dias atuais, mas o presidente da Associação de Hospitais Privados de Alta Complexidade de Goiás (Ahpaceg), Haikal Helou relata que ela está tendo de ser usada devido à falta de insumos nos hospitais particulares. No entanto, ele esclarece que há previsão de chegada de relaxantes musculares ainda nesta semana.

“Os insumos estão realmente faltando, estamos fazendo compras coletivas e temos um carregamento de relaxantes musculares para chegar esta semana, não dá para todos. Por isso, estamos fazendo um levantamento para saber quais hospitais precisam mais”, disse Helou.

O presidente ressalta a preocupação sobre não saber por quanto tempo essa situação permanecerá, já que não a demanda é muito superior à oferta dos medicamentos.

“Só há duas formas disso melhorar. Uma é diminuir o consumo e isso só é possível se as pessoas pararem de ficar doentes. A outra é ter acesso à uma maior quantidade de produto, mas isso tem se mostrado muito difícil por conta da alta procura nacional. O problema não ocorre apenas na nossa região”.

Para ele, a melhor estratégia no momento é de que a população siga todos os protocolos para evitar contrair o vírus. “Por meio de isolamento, uso de máscara e vacinação podemos diminuir o número de doentes e assim conseguir tratar aqueles que realmente não conseguiriam evitar a contaminação”, concluiu Haikal.

Colapso

Na tarde desta terça-feira (9),  em entrevista concedida ao Mais Goiás, Haikal Helou manifestou preocupação quanto ao atual cenário da saúde do estado no enfrentamento à covid-19 e afirmou que a rede de leitos da associação já se encontra colapsada. Segundo Helou, as unidades da rede já estão há cerca de 10 dias com 100% dos leitos de unidade de terapia intensiva (UTI) ocupados.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Mais Goiás

print