Bandido não vacina antes de policiais, diz governador Caiado

“Mesmo seguindo o Plano Nacional de Imunização, nós temos bom senso e respeito com aqueles que deixam suas famílias em casa todos os dias e assumem a linha de frente para garantir a segurança de nossa gente”.

Bandido não terá prioridade na fila de vacinação contra o novo coronavírus, publicou Ronaldo Caiado (DEM) em seu Instagram. “Não tem essa de bandido ter prioridade na fila de vacinação.” Ainda segundo o governador, os policiais “terão total prioridade para receber a vacina contra a Covid-19”.

E ainda: “Mesmo seguindo o Plano Nacional de Imunização, nós temos bom senso e respeito com aqueles que deixam suas famílias em casa todos os dias e assumem a linha de frente para garantir a segurança de nossa gente.”

Ao todo, o Plano Nacional de Vacinação possui cinco fases. Na primeira, receberam a imunização profissionais de saúde que atuam diretamente no tratamento da Covid-19, idosos que vivem em asilos e seus cuidadores, e indígenas.

Ainda na primeira, mas após estes, guardas municipais, agentes funerários, equipes da Fundação de Ação Social (FAS) e estudantes de cursos de Saúde que fazem estágio na área. Já na segunda, entram os idosos que não vivem em asilos (começando pelos com mais de 80, depois de 79 a 75; 74 a 70; 69 65; e 64 a 60), além dos presos e agentes carcerários.

Na terceira é a vez das pessoas cujos problemas de saúde podem agravar o quadro da Covid-19 e os moradores de rua. Já na quarta, trabalhadores dos serviços essenciais serão imunizados. Na quinta e última, os demais.

Vacinação

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial das vacinas, no País, em 17 de janeiro. No mesmo dia, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), iniciou a vacinação, antes da distribuição do Ministério da Saúde — ato classificado pelo ministro Eduardo Pazuello como ilegal.

Em Goiás, a primeira vacina contra a Covid foi ministrada na tarde do dia 18 janeiro, em Anápolis. A pessoa escolhida foi Maria Conceição da Silva, de 73 anos, moradora do abrigo Abrigo dos Velhos Professor Nicephoro Pereira da Silva.

 

 

 

 

 

 

Fonte: Mais Goiás

print