Puxada por combustíveis, inflação de fevereiro é a maior desde 2016

Pressionada novamente pela alta da gasolina, a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 0,86% em fevereiro, índice superior ao registrado em janeiro (0,25%).

Este é o maior resultado para o mês desde 2016, quando o índice foi de 0,9%. Em fevereiro do ano passado, a inflação havia ficado em 0,25%. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (11/3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com isso, o IPCA acumula alta de 1,11% no ano e, em 12 meses, de 5,20%, acima dos 4,56% observados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Com alta de 7,11%, a gasolina foi, individualmente, o item que mais impactou o índice no mês, com variação de 0,36 ponto percentual no resultado.

“Temos tido aumentos no preço da gasolina, que são dados nas refinarias, mas uma parte acaba sendo repassada ao consumidor final”, diz o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov.

“No início de fevereiro, por exemplo, tivemos reajuste de 8% e, depois, de mais de 10%. Esses aumentos subsequentes no preço do combustível explicam essa alta”, prossegue.

Além da gasolina, os preços do etanol (8,06%), do óleo diesel (5,4%) e do gás veicular (0,69%) subiram.

Dessa maneira, os combustíveis acumulam alta de 28,44% nos últimos nove meses. Em fevereiro, o grupo transportes teve alta de 2,28%.

Já a educação (2,48%) teve a maior variação entre os grupos, o que é comum nesse período do ano devido aos reajustes das mensalidades de instituições de ensino.

Fonte: Metrópoles

print