Humanos têm semelhanças surpreendentes com estas criaturas de 555 milhões de anos

Os primeiros organismos multicelulares da Terra podem não ter tido cabeça, pernas ou braços, mas parte deles permanece dentro de nós até hoje, mostram novas pesquisas.

Segundo um estudo da UC Riverside, criaturas oceânicas de 555 milhões de anos do período Ediacaran partilham genes com os animais de hoje, incluindo os humanos.

“Nenhum deles tinha cabeças ou esqueletos. Muitos deles pareciam provavelmente morcegos tridimensionais no fundo do mar, discos redondos que colavam”, disse Mary Droser, professora de geologia da UCR. “Estes animais são tão estranhos e tão diferentes que é difícil atribuí-los a categorias modernas de organismos vivos só de olhar para eles, e não é como se pudéssemos extrair o seu ADN – pois nós não podemos”.

Contudo, registos fósseis bem preservados permitiram a Droser e ao primeiro autor do estudo, Scott Evans, recentemente doutorado pela UCR, ligar a aparência e os comportamentos prováveis dos animais à análise genética dos seres vivos atuais. A sua investigação sobre estas ligações foi recentemente publicada na revista Proceedings of the Royal Society B.

Para a sua análise, os pesquisadores consideraram quatro animais representativos das mais de 40 espécies reconhecidas que foram identificadas desde a era Ediacaran. Estas criaturas variavam em tamanho desde alguns milímetros até quase um metro de comprimento.

Criaturas estranhas
O paleontólogo Scott Evans estudando fósseis no sertão australiano. (Droser Lab / UCR)

Kimberella eram criaturas em forma de lágrima com uma ponta larga e arredondada e uma ponta estreita que provavelmente raspavam o fundo do mar para comida com uma probóscide. Além disso, hoje em dia podiam mover-se usando um “pé musculado” como os caracóis. O estudo incluiu Dickinsonia plana, de forma oval com uma série de bandas em relevo na sua superfície, e Tribrachidium, que passaram a sua vida imobilizados no fundo do mar.

Também foram analisados Ikaria, animais recentemente descobertos por uma equipa que incluía Evans e Droser. Eram do tamanho e forma de um grão de arroz, e representam os primeiros organismos bilaterianos com uma frente, costas, e aberturas em ambas as extremidades ligadas por uma tripa. Evans disse que é provável que Ikaria tivesse bocas, embora estas não estivessem preservadas nos registos fósseis, e que rastejavam através da matéria orgânica “comendo à medida que iam comendo”.

Todos os quatro animais eram multicelulares, com células de diferentes tipos. A maioria tinha simetria nos seus lados esquerdo e direito, bem como sistemas nervosos e musculatura não-centralizados.

Além disso, parecem ter sido capazes de reparar partes danificadas do corpo através de um processo conhecido como apoptose. Os mesmos genes envolvidos são elementos chave dos sistemas imunitários humanos, o que ajuda a eliminar células infectadas pelo vírus e pré-cancerosas.

Estes animais tinham provavelmente as partes genéticas responsáveis pelas cabeças e os órgãos sensoriais normalmente aí encontrados. Contudo, a complexidade da interacção entre estes genes que daria origem a tais características ainda não tinha sido alcançada.

“O facto de podermos dizer que estes genes estavam a funcionar em algo que está extinto há meio bilião de anos é fascinante para mim”, disse Evans.

 

Fonte: SoCientifica

print