Médico faz respirador improvisado e parente leva cilindro de oxigênio para ajudar no tratamento de paciente com Covid-19, em Goiânia

Com a falta de leitos de UTI em regiões do interior do estado com equipamentos adequados de oxigenação para pacientes com Covid-19, o médico Breno Leite, que trabalha em Itaguaru, no norte de Goiás, explicou que está fazendo um respirador improvisado juntando partes de alguns equipamentos hospitalares para oferecer oxigênio aos pacientes. Segundo o médico, o equipamento improvisado tem salvado vidas.

“A gente pega uma máscara de ambu, uma seringa e liga a uma máquina de ventilação com oxigênio. Assim a gente consegue salvar vidas, enquanto há um caos de colapso na rede de vagas de UTIs”, explica o médico.

 

O Hospital Municipal de Itaguaru disse em nota que ainda não teve falta de insumos nem de medicamentos e que o procedimento feito pelo médico Breno Leite é comum para evitar que os pacientes precisem ser entubados.

Em um vídeo que o médico gravou para mostrar o funcionamento do respirador improvisado, uma paciente, de 51 anos, estava com a saturação de oxigênio no sangue em 83%, sendo que o normal é entre 95% e 100%. Ao colocar a máscara improvisada na paciente, a saturação subiu para 99%.

“Não esperava que com essa segunda onda de Covid-19, a gente teria um número tão grande de pacientes com complicações, que têm levado os pacientes a necessitar de ventilação não invasiva e até entubação porque a saturação está caindo por causa do comprometimento pulmonar”, destaca o médico.

Em Goiânia, o parente de um paciente internado em um hospital particular num quarto sem oxigênio, por causa da falta de UTI, foi filmado levando um cilindro para ajudar no tratamento.

Parente leva cilindro de oxigênio para paciente internado em hospital particular em Goiânia — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Parente leva cilindro de oxigênio para paciente internado em hospital particular em Goiânia — Foto: Reprodução/TV Anhanguera

A ocupação dos leitos de UTIs da rede pública estadual chegou a 96% nesta quinta-feira (11), enquanto o índice na enfermaria é de 87%. Nas últimas 24 horas, Goiás registrou 3.713 novos casos e 56 mortes por coronavírus, segundo o balanço da Secretaria Estadual de Saúde.

Ao todo, 426.722 pessoas no estado contraíram do vírus e 9.335 morreram desde o início da pandemia.

Mutirão

 

No hospital de campanha de Porangatu, no norte do estado, não tinha mais leitos para pacientes com a doença nesta quinta-feira. Na semana passada, houve mutirão para garantir oxigênio para pacientes internados.

“Nós tivemos na semana passada uma intercorrência por motivo da alta procura da região e do nosso Hcamp. Por isso tivemos a precaução de irmos atrás de outros municípios que tinham em seus estoques alguns balões de oxigênio para complementar o nosso para não faltar”, disse o secretário municipal de Saúde de Porangatu, Rafael Miguel.

Fonte: G1 Goiás

print