Federação tenta convencer Doria a derrubar suspensão do Paulista em reunião nesta segunda-feira

Por Leonardo Lourenço — São Paulo

Uma reunião nesta segunda-feira, a partir das 9h, pode derrubar a decisão do Governo do Estado de São Paulo de paralisar o Campeonato Paulista por duas semanas.

A medida, válida desta segunda até o dia 30 de março, foi anunciada na última quinta como parte do pacote de restrições para conter a propagação do novo coronavírus. A FPF (Federação Paulista de Futebol), porém, discorda da medida e argumenta que o campeonato é realizado com segurança sanitária.

A reunião acontece a convite do governo. O Ministério Público também estará presente. A FPF será representada por seu presidente, Reinaldo Carneiro Bastos, pelo ex-jogador Mauro Silva, um dos vice-presidente da entidade, e por Moisés Cohen, presidente do comitê médico.

Neste domingo, a Federação Paulista reuniu seus departamentos para elaborar as propostas que irá apresentar ao governo e ao Ministério Público para tentar derrubar a suspensão. Desde a semana passada, está em debate uma redução maior no número de pessoas que trabalham nos jogos – para diminuir os riscos de contágio.

Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista de Futebol — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista de Futebol — Foto: ROBERTO CASIMIRO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

A ideia da Federação Paulista é esgotar todas as possibilidades de diálogo com o governo. Mas, se a decisão for mantida, analisa a possibilidade de passar os jogos (da quinta, sexta e sétima rodadas) para outros Estados. São Bento x Palmeiras, por exemplo, pode ocorrer em Belo Horizonte.

Por isso, depois do encontro com o governo e o Ministério Público, há uma nova reunião agendada, desta vez entre a Federação e os clubes. Às 15h, será debatido resultado da conversa da manhã. No caso de manutenção da suspensão, será preciso definir como fica o calendário do Campeonato Paulista – na prática, manter datas e jogar em outros Estados ou manter locais e mudar datas (para depois da suspensão).

Fonte: Globo Esporte

print