Pegadas do diabo: quem deixou esta trilha antiga na lava?

Descendo o lado do vulcão Roccamonfina no norte da Itália, conjuntos de pegadas humanóides foram considerados há muito tempo a marca do Diabo, pois as pegadas foram certamente feitas quando a encosta do vulcão foi derretida.

Desde a descoberta das antigas pegadas no final do século 18, o povo local assumiu que o Ciampate del Diavolo (Pegadas do Diabo) era uma evidência de que o demônio saía do inferno através da cratera do vulcão e se unia à humanidade na Terra. Afinal, quem, senão o próprio Diabo, poderia caminhar sobre lava corrente sem queimar seus pés? Esta teoria se manteve por mais de dois séculos até 2002, quando dois arqueólogos amadores trouxeram a trilha à atenção do mundo.

O local, localizado entre as aldeias de Tuoro/Foresta e Piccilli na Campania, Itália, consiste em três conjuntos de pegadas fossilizadas e algumas pegadas dispersas. Aqueles que não acreditavam que fossem a marca do Diabo pensavam que eram pegadas de animais antigos. Só quando os pesquisadores da Universidade de Pádua examinaram as pegadas é que se revelou que elas eram de origem humana. Além disso, acredita-se que as impressões foram feitas há algum tempo entre 385.000 e 325.000 anos. Isto tornou as Pegadas do Diabo as impressões humanas mais antigas conhecidas, um título que as pegadas mantinham até a descoberta das Gravuras Inglesas Happisburgh em 2013, que datam de cerca de 800.000 anos atrás.

Pegadas de Happisburgh, Inglaterra
Pegadas de Happisburgh, Inglaterra (Museu Britânico)

As pegadas de humanos antigos raramente são tão bem preservadas em um ambiente aberto. Especialistas acreditam que estas pegadas foram impressionadas em um fluxo piroclástico vulcânico – tipicamente composto de cinzas, pedra-pomes e fragmentos de rocha – e foram então cobertas com cinzas vulcânicas. Um trabalho publicado pela equipe da Universidade de Pádua afirma: “Estudos estratigráficos demonstraram que os sedimentos são depósitos de corrente de densidade piroclástica, resultados de múltiplos colapsos de uma coluna eruptiva Sub-Plínica do vulcão Roccamonfina…a superfície pisoteada foi coberta com outro fluxo piroclástico” (Santello, 2008). Só no final do século 18/início do século 19 é que a erosão tinha se desgastado o suficiente para que as camadas vulcânicas revelassem as impressões.

Pegadas do diabo
“Ciampate del Diavolo” ou “Pegadas do Diabo”, pegadas de 350.000 anos em Tora e Piccilli (CE) Itália (domínio público)

Das muitas características notáveis das Pegadas do Diabo, uma das mais marcantes é a ocasional impressão manual encontrada ao seu lado na face do penhasco do vulcão. Isto sugere que as pegadas foram feitas por hominídeos que andavam eretos, mas precisavam se firmar enquanto faziam a descida perigosa pela encosta íngreme. Esta teoria é reforçada por evidências que sugerem que os fabricantes da trilha escolheram cuidadosamente seu caminho pela encosta da montanha. O primeiro conjunto de pegadas, consistindo de 27 pegadas, forma o formato de um “Z”, sugerindo que o caminhante adotou a técnica de “switchback” para descer a encosta. O segundo e terceiro conjuntos de pegadas, consistindo respectivamente de 19 e 10 pegadas, descem a encosta em linhas relativamente retas. Todas as trilhas foram feitas caminhando, não correndo.

Os pesquisadores acreditam que os fabricantes das pegadas eram hominídeos totalmente bípedes (de dois pés) com uma marcha livre (o que significa que eles só precisavam usar seus braços para apoio ou para recuperar o equilíbrio). “Estas trilhas foram feitas por espécies pré-sapienses, possivelmente um Homo Erectus europeu tardio ou Homo Heidelbergensis” disse Mietto, mencionando um precursor do Neanderthal. As pegadas têm aproximadamente 20 centímetros de comprimento e 10 centímetros de largura. A passada média é de cerca de 1,2 metros e o espaço médio entre os dois pés é de cerca de 0,6 metros. Com base nestas informações, os especialistas podem concluir que os impressores tinham apenas 1,5 metro de altura.

Autor das pegadas do diabo
Modelo da cabeça e dos ombros de um homem adulto Homo heidelbergensis em exibição no Hall of Human Origins no Museu Smithsonian de História Natural em Washington, DC (domínio público)

Hoje, talvez nunca saibamos o que as pessoas estavam fazendo no vulcão. Uma vez que todas as trilhas vão na mesma direção – longe da cratera do vulcão – uma teoria amplamente aceita postula que os hominídeos estavam descendo o vulcão para escapar da erupção. “Durante o período de repouso entre um evento eruptivo e o seguinte da mesma série vulcânica, ocorreram precipitações meteóricas que saturaram a superfície. Então inúmeros hominídeos caminharam sobre a superfície plástica e relativamente fria, deixando os vestígios de sua passagem” (Santello, 2008).

Em outras palavras, “é razoável inferir que estes humanos realmente testemunharam a erupção”, disse Mietto.

Embora as Pegadas do Diabo sejam as pegadas mais antigas preservadas do gênero Homo, elas não são as pegadas hominídeas mais antigas; essa honra pertence aos famosos passos de Laetoli na Tanzânia, pegadas deixadas há 3,5 milhões de anos pelo ancestral humano Australopithecus afarensis.

 

Fonte: SoCientífica

print