Caiado participa de reunião em Brasília para discutir aquisição de insumos e produção de vacinas contra a Covid-19

Segundo democrata, que participará do encontro representando a região Centro-Oeste, a intenção é discutir ações que serão levadas ao chineses já nos próximos dias. “Queremos que eles voltem os olhos e liberem cada vez mais vacinas, já que essa parceria tende a ser estendida entre os Países”.

O governador Ronaldo Caiado (DEM) irá representar a região Centro-Oeste do País em uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro e demais chefes de Poderes na próxima quarta-feira, 24.

Segundo o democrata, também participarão do encontro os presidentes do Supremo Tribunal Federal (STF), Senado, Câmara e Tribunal de Contras da União (TCU).

O objeto será discutir medidas conjuntas que possam resultar em ações que serão levadas aos chineses nos próximos dias. “Queremos que eles voltem os olhos e liberem cada vez mais vacinas, já que essa parceria tende a ser estendida entre os Países”, destacou o governador.

Segundo ele, há a expectativa de que a China libere também os insumos necessários para fabricação própria das vacinas, tanto pelo Instituto Butantã quanto pela Fiocruz, no Brasil.

As movimentações ganharam musculatura especialmente após a presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, senadora Kátia Abreu (PP-TO), protocolar no Itamaraty e na Embaixada dos Estados Unidos uma correspondência do presidente do Senado, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), dirigida à presidente do Senado e vice-presidente dos EUA Kamala Harris solicitando cooperação bilateral no combate à pandemia do Covid-19.

O texto leva à consideração da Presidente do Senado a solicitação de que as autoridades norte-americanas levem em conta “a possibilidade de conceder autorização especial para a aquisição, pelo governo brasileiro, de doses de vacina estocadas nos EUA e ainda sem previsão de utilização”.

Caso a intenção seja concretizada, o documento considera que a ação “daria grande impulso ao atual esforço de imunização da população brasileira com mais de 60 anos, contribuindo de modo decisivo para a contenção da pandemia em seu atual epicentro e aumento da segurança sanitária de todos os países das Américas”, conclui.

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: Jornal Opção

print