Águas Lindas fica sem oxigênio para paciente com Covid-19

O município de Águas Lindas de Goiás, que fica no Entorno do Distrito Federal (DF), ficou sem estoque de oxigênio para o tratamento de pacientes internados nas unidades com Covid-19 na última terça-feira (23). A prefeitura, então, pediu ajuda para o governo do Distrito Federal, que forneceu 35 metros cúbicos de oxigênio para evitar o colapso na cidade, assim como aconteceu em Manaus (AM).

De acordo com o prefeito do município, Lucas de Carvalho Antonietti, o desabastecimento ocorreu porque um dos fornecedores teve a carga tombada em um acidente. Ele explicou que a normalização deveria ocorrer o mais breve possível. “Estamos trabalhando com dois fornecedores e no limite da carga”, revelou.

Os pacientes diagnosticados com Covid-19 na cidade estão sendo tratados no Hospital Municipal Bom Jesus, informou o secretário de comunicação de Águas Lindas, Marcos Alexandre. São 35 pacientes internados com a doença, sendo que dois deles estavam, até a noite de ontem, entubados e necessitando de oxigênio. A média diária de consumo é de 500 litros de oxigênio. Os outros casos são atendidos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

Com a falta de oxigênio, o Executivo local do DF autorizou o envio de cilindros à cidade, diz o secretário da Casa Civil, Gustavo Rocha. “Temos um contrato de fornecimento de até 500 mil metros cúbicos de oxigênio. Hoje, o DF está usando 255.666 metros cúbicos. Estamos no final do mês de março, então, o quantitativo contratado é suficiente para atender a população do DF. Só foi possível ajudar o município vizinho porque não interferiria em nada o atendimento daqui”, frisou.

Outros municípios também enfrentam dificuldades para abastecer as unidades de saúde. De acordo com o secretário de saúde do DF, Osnei Okumoto, o município Santo Antônio do Descoberto passou por problemas no abastecimento de oxigênio, porém conseguiu resolver sem a necessidade de auxílio emergencial.

Bela Vista

Na última semana, a rede pública de saúde da cidade de Bela Vista de Goiás quase ficou sem oxigênio. De acordo com a equipe do Hospital Municipal, o produto poderia acabar a qualquer momento, pois só havia quatro tubos para 11 pacientes com Coronavírus.

A demora ocorreu devido ao trânsito enfrentado pelo motorista da van que transportava o produto. Ele ficou preso no congestionamento causado por uma manifestação na BR-153, na Capital, contra o decreto que determinou o fechamento das atividades não essenciais por 14 dias.

O consumo de oxigênio na unidade de Bela Vista mais que triplicou nas últimas semanas, revelou a diretora da unidade, Deusmaria Aparecida Batista, que trabalha no local há um ano e três meses. “Antes, tínhamos uma média de gastar de sete a 12 cilindros por semana, nas últimas semanas deste mês gastamos 12 em um dia”, frisou. No dia 15 deste mês eram necessários 27 cilindros, mas a unidade chegou em apenas quatro. “Reduziu tanto, que o que tínhamos só era suficiente para uma hora”, explicou.

Comércio fechado 

Em colapso, as cidades do Entorno do Distrito Federal decidiram, nesta semana, fechar ao comércio, aderindo ao decreto estadual, que prevê a paralisação das atividades consideradas não essenciais. O objetivo é conter o avanço da pandemia do novo coronavírus na região. Aderiram ao decreto os municípios de Águas Lindas, Santo Antônio do Descoberto, Valparaiso, Luziânia, Novo Gama e Cidade Ocidental.

 De acordo com o prefeito de Cidade Ocidental, Fábio Corrêa, a região do Entorno está vivendo um momento de colapso. “Não tem como mais segurar, a situação chegou num ponto muito difícil e ficou decidido que vamos aderir ao decreto do governador”, afirmou. Cada município publicou um decreto estabelecendo os critérios definidos para reduzir o contágio da Covid-19.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: O Hoje

print