Goiás tem terceira maior incidência de casos de SRAG no país, diz Fiocruz

O estado de Goiás tem a terceira maior taxa de incidência de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), segundo o último boletim do Observatório Covid-19 da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O território goiano apresenta índice de 10,8 casos de SRAG para cada 100 mil habitantes. O número é inferior apenas ao do Amazonas, com 19,5, e de Mato Grosso do Sul, com 11.

O mapa mede as semanas epidemiológicas entre 31 de janeiro a 20 de fevereiro.

Segundo a Fiocruz, a incidência alta de SRAG está correlacionada com o avanço da covid-19, uma vez que a doença causada pelo coronavírus leva à síndrome respiratória.

No último boletim, os pesquisadores da Fiocruz reforçam o pedido para que as autoridades promovam ações para diminuir o contágio e evitar maior intensidade de transmissão.

Ocupação de leitos

No boletim, o estado aparece com 89,2% das UTIs para SRAG ocupadas.Com isso, Goiás é classificado com risco crítico, junto com outros 11 estados e o Distrito Federal, todos com mais de 80% de ocupação.

Clique e veja o boletim completo

Apenas o estado de Mato Grosso, com 52%, aparece com risco baixo de colapso.

Taxas de incidência e mortalidade

As maiores taxas de incidência de Covid-19 foram observadas nos estados de Rondônia, Acre, Amazonas, Santa Catarina e Mato Grosso. Taxas de mortalidade elevadas foram verificadas em Rondônia, Acre, Amapá, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Goiás.

Esse conjunto de estados críticos, conforme a Fiocruz, repete, quase integralmente, os padrões verificados nas primeiras semanas de 2021, com grande repercussão nos estados da Amazônia.

print