Câmara de Senador Canedo apresenta denuncia de improbidade contra Prefeito Fernando Pellozo

Foi apresentada na manhã desta terça, 06, em sessão plenária da Câmara uma denuncia contra o prefeito de Senador Canedo, Fernando Pellozo (PSD), sobre a contratação de um hospital particular da cidade para os atendimentos de pacientes com Covid-19.

De acordo com a queixa, a cidade é munida de unidades de saúde que poderiam ter ganhado o investimento revertido ao hospital particular, e nela é pedida inclusive, a licença do prefeito por improbidade administrativa.

Segundo os denunciantes, os gastos feitos na unidade privada foram superiores ao preço de mercado, e que o executivo foi negligente neste investimento, pois poderia ter sido feito nas unidades públicas.

Outro ponto da denuncia é de que, o real administrador do hospital, Dr. Alsueres Mariano, é o esposo de uma sócia proprietária Rhubia Patrícia, e que ele é impedido de participar deste tipo de modalidade por ser indiciado por irregularidades e improbidade, sendo impedido de participar de ações com poder público por três anos.

O vereador Reinaldo Alves (DEM), afirmou que o Poder Legislativo tem que acatar a denuncia, e deixou claro seu posicionamento sobre a situação, pediu também que o voto fosse realizado de modo secreto para que os parlamentares não possam sofrer pressão futura. “O plenário tem soberania neste tipo de avaliação, e temos que votar, pediu por requerimento que fosse secreta para evitar possíveis retaliações de outros em cima dos vereadores”, salienta.

A comissão sorteada que irá avaliar a denuncia é formada pelos vereadores Anderson Alves (PRTB), Sérgio Bravo Júnior (PL) e Vilmar Lima (PSDB). Os vereadores Eliel José (Podemos) e Rosalvo (Podemos) chegaram a ser sorteados para participar da comissão, mas abriram mão.

A reportagem do O Hoje entrou em contato com a assessoria de comunicação do prefeito para saber seu posicionamento e comentar o caso, mas não obtivemos resposta até o fechamento desta matéria, às 10h30 desta terça, 06 de abril.

 

Bloqueio de pagamento

No mês passado, o vereador Leonardo Assunção (PL) entrou com pedido de bloqueio do repasse ao Hospital, sob a alegação de irregularidade nos valores e no contrato. O desembargador Itamar de Lima suspendeu essa liminar e restaurou o repasse, sob a alegação que a unidade tem papel fundamental no tratamento dos pacientes que sofrem com a Covid-19 na cidade e região e neste momento de pandemia essas atividades não podem ser paralisadas.

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: O Hoje

print