Faculdade goiana oferece atendimento psicológico online e gratuito

A Faculdade Estácio de Sá de Goiás está oferecendo atendimento psicológico na modalidade online de forma gratuita. Os interessados na terapia virtual devem preencher o formulário na internet. As sessões são feitas por alunos dos últimos períodos do curso de Psicologia, sob a supervisão de professores da instituição de ensino.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Brasil ocupava, em 2017, o 3º lugar nos casos identificados de ansiedade e depressão nas Américas. Em 2020, com a pandemia da Covid-19, houve aumento de casos de doenças relacionadas ao psicológico humano. Por isso, é importante contribuir no bem-estar social para influenciar na saúde mental.

“Vivemos situações desafiadoras e desconhecidas que, somente com o auxílio profissional, temos a indicação apropriada a cada pessoa. Estes sinais chamam a nossa atenção para a necessidade de um cuidado específico”, afirmou a coordenadora do curso de Psicologia da Faculdade Estácio Goiás, Suely Faria.

Segundo ela, é necessário estar atento aos sintomas de doenças psicológicas, pois elas se manifestam e podem comprometer a vida diária do paciente. As pessoas, que estão precisando de um tratamento adequado, podem apresentar irritabilidade, alteração no sono ou apetite, limitação de interesses, maior dependência de atenção das pessoas e algumas compulsões.

Diante destas afirmações, a professora da Estácio dá dicas de atividades para serem realizadas, periodicamente, para evitar tanto o estresse, quanto casos depressivos e similares. “Fazer uma leitura, praticar uma atividade física, tirar um momento para uma meditação ou atividade religiosa, cuidar da alimentação e  evitar permanecer ligado em informações”, destacou.

“O período traz a necessidade de se observar, de  manter uma rede de contato de apoio, com uma lista de interesses de forma que  minimize o urgente. Nós podemos nos apoiar enquanto  coletivo e ter um suporte em nós mesmos, mantendo a nossa coerência”, concluiu a especialista.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: O Hoje

print