Goiás corre risco de enfrentar terceira onda de covid-19, diz superintendente

Enquanto Goiás ainda luta para superar a segunda onda de contaminação pela Covid-19, o estado já pode ter que se preparar para uma terceira. É o que afirma a superintendente de Vigilância em Saúde de Goiás, Flúvia Amorim, que informou que a população pode experimentar uma nova alta de infecções e óbitos pelo coronavírus, provocada pela nova variante do vírus e pelo comportamento de risco das pessoas.

Em entrevista à imprensa nesta semana, Flúvia revelou que 92% de amostras sequenciadas de pessoas contaminadas em Goiás são da variante do coronavírus chamada de P1, que surgiu em Manaus. Ao Mais Goiás, a superintendente destacou que essa nova cepa, aliada às violações das medidas sanitárias contra o coronavírus, pode ocasionar o surgimento da terceira onda da Covid-19.

“As medidas de restrição impactaram para redução da ocupação dos leitos de UTI, mas isso pode mudar. Com a entrada de uma nova variante e com mudanças de comportamento de novo, como observamos no Ano Novo e no Carnaval, infelizmente a gente pode ter uma possível terceira onda”, disse, se referindo às aglomerações e festas clandestinas.

Flúvia ressaltou ainda que o aumento expressivo no número de mortes em Goiás está diretamente ligado a esses dois fatores. Vale destacar que, enquanto o estado registrou 6.805 mortes ao longo de 2020, só do dia 1º de janeiro ao dia 20 de abril de 2021, foram registrados 7.124 óbitos – totalizando 13.929.

 

Fonte: Mais Goiás

print