Sobe para 55 o nº de mortos na Faixa de Gaza e em Israel

A guerra de mísseis, foguetes e ataques aéreos entre Israel e palestinos entrou em seu terceiro dia nesta quarta-feira (12), e o número de mortos nos confrontos subiu para 55.

O maior conflito na região em anos já deixou 49 vítimas na Faixa de Gaza desde segunda-feira (10), segundo o Ministério da Saúde do enclave palestino, e seis em Israel, dizem autoridades médicas israelenses.

Quase 300 pessoas ficaram feridas em território palestino, incluindo 86 crianças e 39 mulheres. Entre os mortos estão 13 crianças e cinco israelenses, segundo a agência de notícias France Presse.

Entre as vítimas israelenses estão três mulheres e uma criança e dezenas de feridos.

Israel realizou centenas de ataques aéreos em Gaza nesta quarta, e militantes palestinos dispararam vários foguetes contra Tel Aviv, capital e segunda cidade mais populosa de Israel, e em Beersheba, no sul do país.

Rastros de luz do sistema antimísseis de Israel em ação na cidade de Ashkelon na noite de terça (11) — Foto: Nir Elias/Reuters

Rastros de luz do sistema antimísseis de Israel em ação na cidade de Ashkelon na noite de terça (11) — Foto: Nir Elias/Reuters

O enviado de paz da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland, disse que as Nações Unidas estão trabalhando com todos os lados para restaurar a calma.

O Conselho de Segurança da ONU se reúne novamente nesta quarta para debater o conflito, que já é o mais violento desde 2014 e aumentou a preocupação internacional de que a situação possa sair de controle.

Prédios atingidos

 

Aeronaves israelenses atacaram dois prédios na cidade de Gaza na terça-feira (11). Um prédio residencial de 13 andares foi destruído e desmoronou por completo.

A torre abrigava um escritório usado pela liderança política do Hamas, que controla a Faixa de Gaza. O grupo é responsável, junto com a Jihad Islâmica, pelos foguetes lançados contra Israel.

O país também atacou um edifício de nove andares que abriga apartamentos residenciais, empresas de produção médica e uma clínica odontológica, segundo a Associated Press.

A estrutura foi fortemente danificada, e fumaças e destroços chegaram ao escritório da agência de notícias em Gaza, que fica a 200 metros de distância do segundo prédio atingido.

Fogo cruzado

 

Israel disse nesta quarta que uma série de bombardeios atingiu alvos importantes do Hamas, “contra casas que pertencem a membros de alto escalão”, e destruiu uma sede da polícia local.

A Jihad Islâmica, segundo maior grupo armado da região, anunciou ter disparado 100 foguetes contra o território israelense, a partir da Faixa de Gaza, “em resposta aos bombardeios de edifícios e civis”.

Israel diz que mil foguetes já foram disparados contra o país desde segunda (10), mas a maioria foi interceptado pelo seu sistema de defesa.

Alguns foguetes chegaram a cair nos arredores de Tel Aviv. O aeroporto internacional Ben Gurion teve todas as suas decolagens suspensas temporariamente para “permitir a defesa do espaço aéreo”.

O aeroporto voltou a operar no final do dia, segundo o jornal israelense “Haaretz”, mas foi novamente fechado durante a madrugada ao se tornar alvo de novos ataques.

‘Guerra em larga escala’

 

Israel e Hamas se encaminham para uma “guerra em larga escala”, advertiu na terça-feira o enviado da ONU para o Oriente Médio, Tor Wennesland.

“Uma guerra em Gaza seria devastadora e as pessoas pagariam o preço”, afirmou Wennesland sobre o pequeno território palestino onde vivem dois milhões de pessoas.

 

A área já sofre com a pobreza e uma taxa de desemprego de quase 50%, segundo o diplomata.

Diante da escalada de violência, a comunidade internacional fez um apelo por calma, mas os dois lados não dão nenhum sinal de apaziguamento.

Palestinos carregam o corpo de Hussain Hamad, de 11 anos, morto em uma explosão durante o conflito entre Israel e o Hamas, durante seu funeral em Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, na terça (11) — Foto: Khalil Hamra/AP

Palestinos carregam o corpo de Hussain Hamad, de 11 anos, morto em uma explosão durante o conflito entre Israel e o Hamas, durante seu funeral em Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, na terça (11) — Foto: Khalil Hamra/AP

‘Apenas o começo’

 

“Ainda há muitos alvos. Isto é apenas o começo”, advertiu o ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, que era o comandante do exército durante o conflito em Gaza de 2014.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, afirmou que o Hamas “será atacado de uma maneira que não espera”. “O Hamas e a Jihad Islâmica pagaram — e pagarão — um alto preço”.

O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, afirmou que, “se eles querem uma escalada, a resistência está pronta. Se eles quiserem parar, a resistência está pronta”.

Início dos confrontos

 

A onda de violência começou em Jerusalém Oriental, após confrontos entre palestinos e a policiais israelenses, principalmente na Esplanada das Mesquitas, na Cidade Velha de Jerusalém, na segunda (10).

A Esplanada das Mesquitas é conhecida como Monte do Templo pelos judeus e como Santuário Nobre pelos muçulmanos. O local é considerado o mais sagrado do Judaísmo e o terceiro mais sagrado do Islã.

O conflito se intensificou no “Dia de Jerusalém”, data do calendário hebraico que celebra a tomada de Jerusalém Oriental e da Cidade Velha por Israel em 1967. O dia é feriado nacional em Israel e, neste ano, coincidiu com o fim do Ramadã, o mês do jejum muçulmano.

Jerusalém Oriental é reivindicada como a futura capital da Palestina. Israel diz que Jerusalém é sua capital e indivisível, mas a grande maioria dos países reconhecem Tel Aviv como a capital do país.

Fonte: G1

print