Há risco de falta de kit intubação em 13 cidades goianas

Levantamento feito pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) aponta que, na última semana, faltaram vacinas contra a Covid-19 em 10 municípios goianos para aplicação da primeira dose e em oito para a segunda dose. O número representa 13,8% de um recorte de 130 cidades de Goiás. Os dados foram obtidos entre os dias 10 e 13 de maio por meio de entrevistas telefônicas aos prefeitos das cidades.

Segundo a CNM, o objetivo da pesquisa é acompanhar os temas que mais preocupam os prefeitos e, desse modo, informar a sociedade sobre o que ocorre no Brasil em relação ao enfrentamento da pandemia. O estudo ainda aponta que, de acordo com informações dos gestores, a Coronavac é a vacina esperada por 85,7% dos municípios que relataram a falta de imunizante para concluir o esquema vacinal daqueles que já tomaram a primeira dose.

Já a vacinação nos grupos de grávidas e puérperas já começou em 60,8% das cidades goianas e de pessoas com comorbidades em 68,5%. Com relação à falta medicamentos do kit intubação, há risco do déficit desses materiais em 13 cidades. Já o oxigênio pode faltar em quatro cidades.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Saúde de Goiás (SES-GO) para confirmar os dados, mas não obteve retorno antes do fechamento desta edição.

Resistência à vacina

Mais de 97% dos gestores municipais têm promovido campanhas de conscientização para incentivar a população a tomar a vacina. Por outro lado, 45 gestores afirmam ainda encontrar resistência por parte da população com relação à vacinação, principalmente com o imunizante da Astrazeneca/Fiocruz. Atualmente, cerca de 74 municípios de Goiás ainda mantém as medidas para restrição de circulação ou fechamento do comércio.

Coronavac

O Estado de Goiás recebeu na última sexta (14) mais uma remessa de imunizantes contra a Covid-19, a segunda no mesmo dia. O montante, 34 mil doses, é da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan. Poucas horas antes, no mesmo dia, outra leva, com 131.850 vacinas, sendo 69.600 da CoronaVac e o restante, 62.250, da AstraZeneca, havia aterrissado no Aeroporto Internacional de Goiânia.

“As doses da CoronaVac vão ser utilizadas, principalmente, para que os municípios regularizem a segunda aplicação, o restante como primeira dose”, diz a superintendente de Vigilância em Saúde de Goiás, Flúvia Amorim, que acompanhou a chegada dos imunizantes.

Para a AstraZeneca, a orientação do Ministério da Saúde é guardar para a segunda dose. Não serão distribuídas neste momento, mas na medida em que avançar a vacinação nos municípios, explica Flúvia Amorim. As doses foram encaminhadas a Central Estadual de Rede de Frio da SES-GO para conferência. Em seguida, seguem para as 18 Regionais de Saúde de Goiás, para que sejam enviadas a todos os 246 municípios goianos.

Comorbidades

Na Capital, segue a campanha para pessoas com comorbidades em 13 unidades de saúde exclusivas para o grupo, além de seis escolas municipais.  O grupo deve agendar o atendimento através do app Prefeitura 24 horas em um dos postos indicados no site: https://www.goiania.go.gov.br/imunizagyn/. No site, também consta a documentação necessária para vacinar. A atualização com os locais é feita após às 17h.

O reforço da Coronavac em pessoas de 62 e 63 anos é aplicado em seis escolas municipais e na Área I da PUC para pedestres. Não haverá atendimento na modalidade drive thru para este público, nem necessidade de agendamento. Os endereços e a documentação necessária também constam no site da Prefeitura.

“Estamos muito felizes com a marca de meio milhão de doses aplicadas na Capital, número que deve subir substancialmente neste sábado. Mas pedimos que as pessoas busquem os postos mais próximos de sua casa”, alerta Rogério Cruz, prefeito de Goiânia.

 

Fonte: O Hoje

print