Polícia Federal deflagra operação contra fraudes no Tribunal de Contas do DF

A Polícia Federal deflagrou, nesta quarta-feira (26), operação de combate a fraudes no Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF). Os investigadores, que apuram crimes contra a administração pública, cumprem oito mandados de busca e apreensão em Brasília.

Os mandados foram expedidos pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ao todo, dois inquéritos tramitam na Corte. O G1 entrou em contato com o TCDF, porém, não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.

A investigação apura se empresários e agentes públicos praticaram os seguintes crimes:

  • Peculato
  • Emprego irregular de verbas ou rendas públicas
  • Corrupção
  • Advocacia administrativa
  • Prevaricação e falsidade ideológica

 

Os investigadores apuram fraudes como pagamento ou recebimento de vantagens indevidas para quitação de empenhos sem as observâncias dos requisitos legais. Além disso, há suspeita de intermediação e patrocínio de interesse privado junto ao TCDF.

Por volta das 7h30 desta segunda, policiais federais estavam no gabinete do órgão, localizado na Asa Norte (veja foto abaixo). Funcionários do órgão acompanhavam os investigadores.

Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão no prédio do Tribunal de Contas, no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Polícia Federal cumpre mandados de busca e apreensão no prédio do Tribunal de Contas, no DF — Foto: TV Globo/Reprodução

Um conselheiro do TCDF está entre os alvos da operação. Segundo informações da Polícia Federal, o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) compartilhou informações da operação Falso Negativo, que apura fraudes na compra de testes para detecção da Covid-19 e que, no ano passado, resultou na prisão da cúpula da Secretaria de Saúde.

A partir dessa troca de informações entre o MPDFT e a Polícia Federal, a operação conseguiu indícios de fraudes na distribuição dos processos por causa de pagamentos indevidos.

Cerca de 30 policiais federais participam da operação, que foi batizada de Pacare. O nome da ação faz alusão a palavra “pagar”, cuja origem etimológica vem do latim, “aplacar, satisfazer, apaziguar”.

Fonte: G1

print