Maio registra 56.722 moradores contaminados e 1.977 mortes por Covid-19 em Goiás, diz governo

O governo estadual fecha o balanço de maio com 56.722 moradores contaminados e 1.977 mortes por coronavírus, nesta segunda-feira (31). Nas últimas 24 horas do mês, a Secretaria Estadual de Saúde contabilizou mais 2.213 casos e 83 óbitos. São 609.733 casos confirmados da doença e 17.088 óbitos desde o começo da pandemia.

Os números são menores do que os registrados em abril, quando 64.970 foram infectados e houve 3.288 mortes. Porém, especialistas alertam para o aumento de casos nos últimos dias, indicando a 3ª onda da doença no estado para as próximas semanas.

Março deste ano ainda figura como o pior mês da pandemia, com 98 mortes e mais de 2,8 mil casos de Covid-19 por dia em Goiás. Ao todo, o mês registrou 88.503 moradores contaminados e 3.041 óbitos

Os dados revelam que os homens representam 57% dos mortos, enquanto as mulheres são 42% dos registros. A secretaria apura também 318 mortes suspeitas de Covid-19. A taxa de letalidade da doença em Goiás é de 2,8% sobre os contaminados.

Aumento de casos

 

Especialistas alertam para a chegada da 3ª onda de Covid-19 em Goiás. A infectologista Christiane Kobal disse que vários fatores contribuíram para o aumento de casos e mortes nas duas últimas semanas de maio, entre eles, a liberação de eventos. Ela teme que os casos e mortes voltem a subir nas próximas semanas, como o auge da 2ª onda de março.

“Não temos dúvida que estamos, se dividirmos a Covid-19 em ondas, estamos na 3ª onda. Está dentro do esperado, uma vez que tivemos vários fatores que contribuíram para esse aumento, como a liberação de eventos. Porém, é impossível ter uma vida normal diante de um vírus respiratório sem vacina”, afirma Kobal.

 

Para o epidemiologista Pedro Hallal, a 1ª onda não havia terminado quando chegou a 2ª, e a terceira já chegou para “engolir” a segunda, que, para ele, nem não acabou ainda.

“Enquanto a gente não aprender que, para reabrir a atividade econômica, precisamos colocar os números lá no chão, vamos seguir com esse abre e fecha que destrói a saúde pública e a economia do país”, analisa Hallal.

Ocupação dos hospitais

 

A rede hospitalar estadual está com 89% dos 578 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados. O índice na enfermaria é de 62%.

Os números referentes às primeiras semanas de maio eram de 70% nas UTIs e média de 60% nas enfermeiras da rede estadual. Os especialistas alertam sobre a crescente ocupação da rede hospitalar.

Em Goiânia, das 295 vagas de leitos intensivos, 77% estão em uso. O índice na enfermaria, que tem 207 leitos, é de 71%.

O Complexo Regular Estadual, que administra pedidos de internação, está com 42 pacientes na fila de espera por uma UTI e 52 aguardam um leito de enfermaria.

Vacinação contra a Covid-19

 

Levantamento realizado pela SES revela que 1.419.261 moradores foram vacinados com a 1ª dose das vacinas contra a Covid-19, enquanto 645.906 pessoas receberam a 2ª dose.

O estado já recebeu 2.861.170 doses de vacinas contra a Covid-19, sendo 1.358.880 da CoronaVac, 1.413.700 da AstraZeneca e 95.940 da Pfizer.

Goiás recebe novas doses de vacina contra a Covid-19 - Goiânia — Foto: Governo de Goiás/Divulgação

Goiás recebe novas doses de vacina contra a Covid-19 – Goiânia — Foto: Governo de Goiás/Divulgação

Evolução dos casos

 

Casos confirmados:

  • O governo estadual registrou os três primeiros casos de Covid-19 em 12 de março;
  • Em 6 de maio de 2020, Goiás ultrapassou 1 mil casos confirmados e atingiu 45 mortes;
  • Em 14 de agosto, o estado ultrapassou 100 mil casos confirmados da doença;
  • Goiás registrou recorde de casos em um dia em 24 de março, com 5.409 novos infectados;
  • Em 7 de abril, o estado passou de 600 mil pessoas contaminadas.

 

Mortes confirmadas:

  • A primeira morte por coronavírus registrada em Goiás foi em 26 de março de 2020;
  • Em 7 de outubro, Goiás ultrapassou as 5 mil mortes pela doença;
  • O recorde de mortes em 24 horas foi de 267 óbitos, registrado em 10 de março de 2021;
  • Em 30 de maio, o governo informou que a doença provocou 17 mil mortes;
Fonte: G1 Goiás
print