OMS aprova uso emergencial da vacina Coronavac contra a Covid-19

A Organização Mundial de Saúde (OMS) aprovou, nesta terça-feira (1º/6), o uso emergencial da vacina Coronavac contra o novo coronavírus. O imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac, fabricado no Brasil pelo Instituto Butantan, é o sexto a ser aprovado pela entidade.

A decisão deve facilitar a aprovação da vacina por agências internacionais, favorecendo a entrada de brasileiros vacinados com a Coronavac na Europa, quando as fronteiras forem reabertas, segundo especialistas em saúde.

Segundo a OMS, a vacina “atende aos padrões internacionais de segurança, eficácia e de fabricação”. A entidade destacou que a fórmula tem requisitos de armazenamento fáceis, o que a torna “muito gerenciável e particularmente adequada para cenários de poucos recursos”.

A permissão de uso emergencial dada pela OMS estabelece a aplicação das duas doses do imunizante em adultos de 18 anos ou mais, com um intervalo de duas a quatro semanas, como vem sendo feito no Brasil.

Em janeiro deste ano, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial da Coronavac e da AstraZeneca, produzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A Coronavac tem eficácia de 50,38% contra a infecção pelo novo coronavírus e de 98% na prevenção de mortes pela doença. É a vacina mais aplicada nos brasileiros. Para se ter ideia, de acordo com dados do Ministério da Saúde de 10 de maio, sete em cada 10 doses aplicadas no Brasil são da Coronavac.

O Butantan tem uma escala de produção que envolve 373 pessoas em um processo que garante o envase de 1 milhão de doses por dia. O trabalho é rápido e minucioso, e foi acompanhado pelo Metrópoles recentemente. Leva menos de um minuto para engarrafar cada unidade. A partir daí, vem uma etapa um pouco mais elaborada, o controle de qualidade, que demora aproximadamente 14 dias para ser concluído.

 

Fonte: Metrópoles

print