Vitrine da vacinação, Nova York tem 24 horas sem mortes por Covid-19

Nova York registrou queda de 95% no número de infectados por Covid-19 e teve 24 horas sem nenhuma morte causada pelo coronavírus. A marca foi motivo de celebração pública e motivou comentários do prefeito Bil de Blasio.

A cidade tem tido campanhas de incentivo à vacinação e quem se imuniza pode ganhar duas semanas de graça no serviço de bicicletas de aluguel, por exemplo.

A média móvel de casos de Covid-19 nos EUA está em queda significativa desde meados de abril, pois 63% dos adultos americanos receberam pelo menos uma dose das três vacinas disponíveis para aplicação. Em 12 dos 50 estados, o número chega a 70%.

Nesta semana, os EUA registraram em média de 14,3 mil casos diários de Covid-19, como aponta o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). O número é o mais baixo desde 24 de março de 2020, quando a Organização Mundial da Saúde alertou que o país seria o novo epicentro do coronavírus. Os EUA já registraram, em um único dia, 306 mil novos casos de covid-19.

Em janeiro, a cada 100 mil habitantes, 7,5 morriam de Covid na média móvel semanal. Em abril, o país abriu a vacinação para a população em geral. Depois disso, o número de mortes por 100 mil habitantes passou para 0,68.

Em abril, Nova York chegou a registrar mais de 1 mil mortos por dia. A cidade tem a maior densidade populacional dos EUA, um desafio para as políticas de distanciamento social, e virou o epicentro da pandemia no país.

Agora, restaurantes, bares, eventos esportivos, shows, teatros passaram a operar em capacidade máxima. O presidente dos EUA, Joe Biden, estabeleceu o dia 4 de julho como meta para reabertura total das atividades no país. O Dia da Independência será lembrado como um marco na luta contra o coronavírus nos EUA.

 

Fonte: Metrópoles

print