Facção criminosa é alvo de operação da Polícia Civil na Penitenciária da Papuda, em Brasília, e em 3 estados

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta quarta-feira (9), operação contra uma facção criminosa investigada por homicídios, tráfico de drogas e de armas no Distrito Federal. Segundo a investigação, de dentro de presídios, o grupo coordenava crimes nas ruas da capital.

Ao todo, são cumpridos 14 mandados de prisão preventiva e 12 de busca e apreensão. As decisões judiciais estão sendo cumpridas contra chefes da organização presos no Centro de Detenção Provisória, no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília, e em endereços de GoiásPiauí São Paulo.

A ação, batizada de “Tríade” é coordenada pelo Departamento de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Decor), por meio da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco), com o apoio do Ministério Público do Distrito Federal e das polícias civis dos estados.

Complexo Penitenciário da Papuda, no DF — Foto: TV Globo / Reprodução

Complexo Penitenciário da Papuda, no DF — Foto: TV Globo / Reprodução

Crime organizado

 

A investigação durou um ano e quatro meses e, ao longo desse período, os investigadores monitoraram a atividade dos chefes do esquema criminoso. Segundo a Polícia Civil, o grupo cometia crimes por meio da divisão de tarefas, usando um “sofisticado mecanismo de divisão de funções”.

O modo de agir dos criminosos deu nome à operação (Tríade), considerando as atividades de três setores vistos como os principais para sustentação da facção:

  • coordenadores das atividades dentro do presídio,
  • chefes da atuação nas ruas e
  • o grupo que fazia a ligação entre eles.

 

Arma, faca e munições apreendidas pela Polícia Civil durante operação Tríade — Foto: PCDF/Divulgação

Arma, faca e munições apreendidas pela Polícia Civil durante operação Tríade — Foto: PCDF/Divulgação

Além disso, a investigação apontou que havia um grupo responsável pelo tráfico de drogas, criminosos que faziam a comunicação entre presos e os envolvidos nas ruas e outros que, segundo a polícia, “controlavam territórios” fora dos presídios.

Entre as ações investigadas, em setembro do ano passado, os agentes identificaram uma tentativa ilegal do grupo de enviar drogas, embalagens de seda, cigarros, chips telefônicos e celulares para dentro da Penitenciária da Papuda, em Brasília.

Fonte: G1

print