Reguffe admite que possa disputar o governo do Distrito Federal

Se lhe perguntam, ele responde: “Não é o momento de falar de eleição. Estamos vivendo uma pandemia, e pessoas perdem seus entes queridos. O que os políticos deveriam estar fazendo neste momento é trabalhar para atenuar o drama da população como tenho feito no Senado, lutando por mais vacinas”.

Mas quando lhe sobra tempo, o senador José Reguffe (PODEMOS) tem conversado sobre a sucessão do governador Ibaneis Rocha (MDB) e admite que possa disputá-la com o apoio do PDT de Joe Valle, da REDE de Chico Leite, do PSB da senadora Leila Barros, a do vôlei, e do CIDADANIA do ex-governador Cristovam Buarque.

Ciro Gomes será o candidato do PDT a presidente da República, Lula o do PSB; a REDE e o CIDADANIA ainda estão à procura de um. Quem Reguffe apoiaria para presidente? “Um candidato do centro, alternativa a Bolsonaro e a Lula”, confidencia. Sem tanta pressa, ele espera definir seu futuro até o final deste ano.

No Senado, não pretende ficar. Terá pela frente a parada indigesta de enfrentar Ibaneis, um governador razoavelmente bem avaliado, em dobradinha com a deputada Flávia Arruda (PL), candidata ao Senado, ambos apoiados por Bolsonaro. O ex-deputado Geraldo Magela poderá ser o candidato do PT.

Mais do que isso, não fala Reguffe. A não ser para lembrar que Ibaneis, na eleição passada, deu-se ao luxo de viajar para assistir aos jogos da Copa do Mundo; só depois, quase em cima da hora, confirmou que seria candidato ao governo. O tempo, se bem usado, é sempre um aliado precioso, segundo o senador.

 

Fonte: Metrópoles

print