Massa de ar frio se espalha nesta terça em Goiás

O ar frio deve se espalhar pela região Centro Sul de Goiás nesta terça-feira (20) e seguir até amanhã, de acordo com precisão do Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas de Goiás (Cimehgo). Ontem (19), os efeitos foram mais sentidos em cidades como Rio Verde e Jataí.

De acordo com o gerente do Cimehgo, André Amorim, o frio, acompanhado da geada, deve permanecer, principalmente, nas cidades que compõem a região sudoeste do Estado. Em Goiânia, a previsão é que as mínimas permaneçam entre 12ºC e 14ºC.

“Vamos sentir esse declínio nas temperaturas na parte centro-sul do estado, principalmente, no sudoeste goiano, onde as temperaturas mínimas estarão bem mais baixas. E, ao longo da semana, esse frio se espalha para toda a região central do estado”, afirmou.

As previsões apontam que o frio deve permanecer até amanhã, momento em que a massa de ar polar vai perder a intensidade e fazer com que as manhãs permaneçam com temperaturas mais amenas e esquente ao longo do dia. “Na quarta-feira, ainda teremos temperaturas mais amenas. Já na quinta e sexta-feira, as máximas irão ficar mais elevadas”, afirmou.

Ele ressalta que a nebulosidade também diminui e os índices de umidade podem ficar abaixo de 30% ao longo do dia. Por este motivo, não há previsão de chuva e nem expectativa de melhora expressiva na umidade relativa do ar nos próximos dias. “O ar que é projetado é frio e seco e, quando esse sistema acaba de atuar, a umidade relativa do ar volta a cair novamente. Nós teremos um ar frio e seco”, disse.

Instabilidade 

André Amorim explica de que maneira acontece o encontro de ar seco e quente com úmido e frio. No Estado, predominava anteriormente uma massa seca e temperaturas elevadas. “Essa outra que chega é úmida e fria. Esse contato gera essas áreas de instabilidade, essa nebulosidade toda”, afirma. Ele também faz alerta para a população sobre o consumo consciente da água. Isto porque os reservatórios estão com a capacidade comprometida em função do período seco.

“Nós tivemos muitas chuvas torrenciais que não ajudaram. Não dá tempo de o solo absorver e só causa estragos. Nas cabeceiras dos reservatórios, não foi satisfatória a chuva. Por isso estamos com reservatórios de Itumbiara, São Simão, praticamente chegando a 10%. Estamos só no começo do período seco e todos os reservatórios do estado de Goiás estão com a capacidade baixa”, conclui.

 

Fonte: O Hoje

print