Acusado de matar professor é condenado a 26 anos de prisão, em Formosa

Deiwyd Matheus Fernandes Martins foi condenado a 26 anos de prisão e 45 dias de multa pela morte do professor Fabiano Rabelo, de 35 anos, em Formosa, no Entorno do Distrito Federal. Segundo a sentença, o condenado torturou a vítima ainda viva, a agrediu com uma faca por cerca de 15 vezes e a matou com 13 facadas. Inicialmente, a pena será cumprida em regime fechado. Ele também foi absolvido do crime de tortura. O crime aconteceu no dia 6 de dezembro de 2020.

Na referida sentença, o juiz Fernando Oliveira Samuel afirma que Deiwyd Matheus, junto de um adolescente de 17 anos à época, mataram o professor com o intuito de roubar R$ 80 mil da sua conta bancária. Sem sucesso, eles levaram os dois celulares e o veículo de Fabiano.

À época do crime, o corpo do professor foi encontrado em uma estrada vicinal de Formosa. As investigações apontaram Deiwyd e o adolescente como sendo dos autores do crime. Durante o processo, o acusado negou a participação no homicídio. Porém, em razão das provas apresentadas nos autos, o juiz decidiu pela condenação do acusado pelos crimes de latrocínio e por corrupção de menores. Ele cumprirá e pena em regime fechado devido sua periculosidade.

“Em razão da fixação de regime inicial fechado e de tudo que foi exposto a respeito da gravidade do fato que causou comoção na cidade, principalmente por se tratar de conhecido professor atuante em Formosa, reitero a necessidade da manutenção da prisão para garantia da ordem pública (pela gravidade concreta do fato, reiterada na sentença) e garantia de aplicação da lei penal (recordando que o réu chegou a fugir para o DF após o crime, sendo que agora teria ainda mais motivos para buscar fugir)”, disse o Juiz.

Mais Goiás não conseguiu falar com a defesa do condenado. Porém, o espaço continua aberto para as devidas manifestações.

Investigações acerca do condenado

As investigações tiveram início após o corpo de Fabiano ser encontrado. Segundo o delegado Danilo Meneses, após troca de informações com a Polícia Militar, o Grupo de Investigações de Homicídios (GIH) da Polícia Civil identificou os autores do crime no dia 14 de dezembro.

No dia 16 do mesmo mês, a polícia representou pela prisão preventiva de um dos suspeitos e internação provisória do adolescente envolvido. As capturas ocorreram dois dias depois, em 18 de dezembro.

Segundo o delegado, quando foi preso pelo homicídio, Deiwyd já havia sido indiciado em outro crime: uma tentativa de homicídio contra uma menina homossexual. O menor também havia sido apreendido por ato infracional análogo a homicídio.

 

Fonte: Mais Goiás

print