Médica: Estudos apontam que grupo prioritário precisará de reforço de vacina

A morte do ator Tarcísio Meira, de 85 anos, após tomar as duas doses da vacina contra a Covid-19 gerou discussões por conta da eficácia dos imunizantes. O ator foi intubado na sexta-feira (6) da semana passada e fazia sessões de hemodiálise devido a dificuldades nas funções renais.

De acordo com os familiares, Tarcísio ficou isolado durante toda a pandemia mas por um descuido, se contaminou.

Estudos clínicos comprovam que as vacinas disponíveis são seguras e evitam os casos graves da doença.

Em entrevista à CNN nesta sexta-feira (13), a infectologista da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Raquel Stucchi, afirmou que o debate por dose de reforço é necessário. “Principalmente das pessoas que fizeram parte do grupo prioritário, que foram as pessoas como Tarcísio e Glória [Menezes] e que já têm seis meses da vacinação”, disse ela.

Além disso, segundo a especialista, o ritmo lento da vacinação contra o novo coronavírus no país é “assustador”.

“Nós estamos completando 50% da população [vacinada] com uma dose, sete meses depois de iniciarmos a vacinação, então isso é de uma lentidão que vai trazer consequências sérias para nós”, alertou Stucchi.

Segundo a médica, uma das consequências que teremos, antes mesmo que toda população esteja imunizada, é discutir a revacinação.

 

Fonte: CNN

print