Ministro da Educação diz que falas polêmicas foram tiradas do contexto

Após duas polêmicas, o ministro da Educação, pastor Milton Ribeiro, reclamou que falas dele têm, sido tiradas de contexto. Ribeiro foi alvo de críticas ao dizer na semana passada que “universidades deveriam ser para poucos” e na segunda-feira (16/8), quando afirmou que crianças com deficiência “atrapalhariam” o aprendizado das outras.

“Quando falei no meio de uma conversa que a universidade não é para todos, eu estava comparando o ensino técnico com o ensino superior. Não basta apenas ter um diploma de nível superior para que se coloque no mercado de trabalho”, explicou nesta terça-feira (17/8).

As declarações foram dadas durante seminário da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES).

O ministro continuou: “Embora a graduação seja importantíssima, hoje temos uma dificuldade muito grande para que as pessoas consigam uma colocação [no mercado de trabalho]. A demanda pelo ensino técnico tem sido muito grande e desafiadora”, concluiu.

Depois, Milton Ribeiro foi categórico ao rebater as críticas sobre a fala sobre as crianças com deficiência. “Uma fala minha foi tirada do contexto”, ponderou. No último dia 9 de agosto, no programa Sem Censura, ele citou o termo “inclusivismo”: quando uma criança com deficiência é incluída em sala de aula com educação regular. Isso, segundo ele, resulta em uma situação na qual a criança, além de não aprender, “atrapalhava, entre aspas”;

“Fiquei muito incomodado. Minha fala foi tirada do contexto. O inclusivismo, que foi política do governo anterior, pega a criança e joga ela na sala de aula sem nenhum preparo, capacitação e ambiente para receber essas criança”, salientou.

Para o ministro, os diferentes graus de deficiência podem ser empecilhos na aprendizagem. “Temos algumas crianças com grau de autismo severo que ela cria dificuldades para ela e para as outras”, citou.

Milton encerrou o assunto fazendo sua defesa, mas não pediu desculpas. “Jamais usaria terminologia baixa e preconceituosa”, frisou.

 

Fonte: Metrópoles

print