Cientistas descobrem fósseis de mamíferos semelhantes a criatura de “O Hobbit”

Três novas espécies de mamíferos primitivos foram descobertas com base em fósseis encontrados na Bacia Great Divide, uma área de terra no Deserto Vermelho de Wyoming, nos Estados Unidos. Uma análise dos fósseis sugere que essas criaturas evoluíram rapidamente depois que os dinossauros foram extintos há cerca de 66 milhões de anos.

Os mamíferos pré-históricos, de acordo com estudos, viveram na América do Norte algumas centenas de milhares de anos depois que os dinossauros desapareceram da face da Terra. Isso é conhecido como o início da Idade dos Mamíferos Terrestres da América do Norte, aproximadamente os primeiros 328.000 anos após a extinção dos dinossauros.

Paleontologistas, então, usaram ossos da mandíbula e dentes para revelar mais detalhes sobre os mamíferos, que eram os condilares, ancestrais dos modernos mamíferos com cascos como cavalos, hipopótamos, vacas e elefantes.

Os primeiros mamíferos que viveram ao lado dos dinossauros e sobreviveram à sua extinção eram muito pequenos, variando normalmente do tamanho de camundongos a ratos. Esses mamíferos recém-descobertos são um pouco maiores.

Beornus honeyi, o maior desses mamíferos, era provavelmente do tamanho de um gato doméstico, e parte de seu nome foi emprestado ao personagem Beorn de “O Hobbit” de JRR Tolkien, porque o animal tinha molares inflados, ou dentes inchados na bochecha. No romance, Beorn era referido como um “trocador de pele” porque ele era um homem que poderia assumir a forma de um grande urso preto e poderia ter características dentais semelhantes.

As outras duas espécies são Miniconus jeanninae, que era semelhante em tamanho a um gato de cauda anelada, e Conacodon hettingeri, que estava entre os tamanhos de Beornus e Miniconus.

O estudo foi publicado quarta-feira no Journal of Systematic Palaeontology.

Características dentais únicas definem esses mamíferos dentro da família Periptychidae de condilares, o que significa que eles têm cristas verticais de esmalte e pré-molares inchados. Esses dentes teriam permitido um estilo de vida onívoro, ajudando-os a mastigar carne e também plantas duras, mas é possível que também fossem simplesmente comedores de plantas.

Os maiores dentes molares de Beornus tinham cerca de 8 milímetros de comprimento, enquanto Miniconus se distinguia por uma minúscula cúspide em seus molares chamada parastilídeo, de acordo com Madelaine Atteberry, principal autora do estudo, geóloga e assistente do programa de graduação no Departamento de Ciências Geológicas da Universidade de Colorado Boulder.

“Quando os dinossauros foram extintos, o acesso a diferentes alimentos e ambientes permitiu que os mamíferos florescessem e se diversificassem rapidamente em sua anatomia dentária e evoluíssem para um tamanho corporal maior”, disse Atteberry. “Eles claramente aproveitaram essa oportunidade, como podemos ver pela radiação de novas espécies de mamíferos que ocorreu em um período de tempo relativamente curto após a extinção em massa.”

Os fósseis usados nesta pesquisa foram coletados entre 2001 e 2011 na Bacia Great Divide, no Deserto Vermelho de Wyoming, pelos paleontólogos James e Jeannine Honey e Malcolm McKenna. Dois dos nomes das espécies recém-descritas incluem referências à família Honey.

“Nessa localidade específica, eles coletaram aproximadamente 420 fósseis de mamíferos – e nosso artigo é apenas o segundo a publicar uma nova espécie de ‘condilarthismo’ dessa coleção”, disse Atteberry. “Nossa hipótese é que há mais novas espécies a serem identificadas nesta localidade.”

Os fósseis da Great Divide estão contribuindo para a ideia de que havia mais diversidade de mamíferos após a extinção dos dinossauros do que o esperado, e que alguns desses animais eram evolutivamente mais avançados do que os fósseis encontrados em outros lugares, de acordo com Jaelyn Eberle, coautor do estudo, professor de ciências geológicas na University of Colorado Boulder e curador do Museum of Natural History da universidade.

“Talvez me surpreenda que nós (a grande comunidade da paleontologia dos mamíferos) pensássemos que tínhamos aquelas primeiras centenas de milhares de anos do Paleoceno descobertas – quem eram os jogadores-chave e quando eles aparecem no registro fóssil”, Eberle escreveu em um e-mail. “Mas acho que a localidade na Bacia está nos mostrando que não capturamos totalmente a história dos mamíferos (e diversificação) logo após a extinção dos dinossauros. A história não está terminada.”

A próxima questão que os pesquisadores querem explorar é por que a diversidade difere nos primeiros mamíferos da América do Norte no início da era Puercana. Isso pode sugerir que algumas áreas, como a Bacia do Grande Divisor, têm seções de rocha mais preservadas do que outros locais que podem estar faltando partes do registro de rocha devido à erosão. Ou é possível que essa diversidade dependesse do ambiente em que os mamíferos viviam.

“Há muito que não entendemos completamente sobre os mamíferos que viveram nas primeiras centenas de milhares de anos após a extinção dos dinossauros”, disse Eberle.

 

Fonte: CNN

print