Bolsonaro confirma atos de 7 de setembro, mas nega ameaça

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse, nesta sexta-feira (20/8), que pretende discursar nos protestos convocados para o dia 7 de setembro, em Brasília e em São Paulo. Os atos nas capitais estão sendo organizados por apoiadores do governo federal, com incentivo do chefe do Executivo nacional.

Bolsonaro afirmou, na quinta-feira (19/8), que vai participar dos atos – pela manhã, na Esplanada dos Ministérios; e à tarde, na Avenida Paulista.

“Dia 7, esse horário, vamos hastear aqui [a Bandeira Nacional] com cerimônia militar às 8h da manhã. Às 10h, estamos aqui na Esplanada. Pretendo usar a palavra, não é uma palavra de ameaça a ninguém. Estaremos em São Paulo fazendo a mesma coisa”, declarou o titular do Palácio do Planalto, em conversa com apoiadores divulgada por um assessor.

“Pode ter certeza: vamos ter uma fotografia do que vocês querem para o mundo. Eu só posso fazer alguma coisa se vocês assim desejarem”, prosseguiu o mandatário.

Na mesma data, o presidente deve participar de ato alusivo à Independência do Brasil, no Palácio da Alvorada. O evento deve ser reduzido e sem público, no início da manhã. Em razão da pandemia, o tradicional desfile de 7 de setembro foi suspenso.

Em seu lugar, deve ocorrer uma cerimônia na residência oficial da Presidência da República, tal qual aconteceu em 2020, com a presença de algumas autoridades e um número reduzido de público.

Na quinta-feira (19/8), Bolsonaro cumpriu agenda em Cuiabá (MT). Na ocasião, o chefe do Executivo federal negou a possibilidade de ruptura institucional de sua parte, mas reclamou do que chamou de provocações. A agenda oficial desta sexta-feira ainda não foi divulgada pela Secretaria de Comunicação da Presidência.

 

Fonte: Metrópoles

print