Mais três nomes passarão para condição de ‘investigados’ na CPI da Pandemia

O ex-diretor de logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, o dono da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano e o sócio da Belcher Emanuel Catori foram incluídos na lista de investigados da CPI da Pandemia. O relator da comissão, Renan Calheiros, informou à CNN nesta quarta-feira (25) que ampliou a lista de investigados da comissão.

Catori depôs nesta terça à CPI. O empresário admitiu ter relações com o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros, mas negou influência do deputado nas negociações de vacinas com o Ministério da Saúde. Já Francisco Maximiano foi ouvido na semana passada. A empresa dele intermediou a venda de vacinas da Covaxin. O contrato bilionário foi anulado pela pasta depois de denúncia de irregularidades dos irmãos Miranda.

Outro investigado, Roberto Ferreira Dias, foi acusado de pedir 1 dólar de propina por dose de vacina. Ele foi exonerado do cargo na pasta em julho, logo após a divulgação de um encontro, para um chopp, com um suposto vendedor de vacina em um shopping em Brasília.

Na mesma lista, já estão nomes como os do ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o atual Marcelo Queiroga; o ex-ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e o do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros.

Fonte: CNN
print