Jorginho coroa o ano dos defensores com o título de melhor da Europa

Na tarde dessa quinta (25/8), o volante Jorginho, do Chelsea, foi eleito o melhor jogador da Europa. Não para menos, o ítalo-brasileiro foi campeão da Champions League e da Eurocopa com a seleção italiana.

Porém, o feito do jogador vai muito além do prêmio entregue pela entidade que norteia o futebol do velho continente. Ele é apenas o segundo defensor a ser agraciado com a honraria. Antes dele, somente o zagueiro Virgil Van Dijk, do Liverpool, havia chegado lá. Desde que foi criado, em 2011, a indicação de jogadores que buscam o ataque, como meias armadores e aqueles que jogam mais avançados, assim como centroavantes e pontas, sempre foram maior número.

Para se ter uma ideia, em 10anos, dentre 30 finalistas, somente os goleiros Manuel Neuer, do Bayern de Munique, em 2013-14 e 2019-20, Gianluigi Buffon, quando ainda atuava pela Juventus, em 2016-17, e o zagueiro Van Dijk, do Liverpool, em 2018-19, foram os indicados “intrusos” antes da premiação deste ano.

2021: o ano dos defensores

Porém, na última temporada, os defensores conseguiram o merecido destaque e foram maioria na premiação. Kanté e Jorginho, companheiros no Chelsea, foram os finalistas, tendo o segundo vencido com oito pontos de vantagem (175 x 167) sobre Kevin De Bruyne. O francês, por sua vez, ficou em terceiro lugar, sete pontos atrás do meia ofensivo do Manchester City (167 x 170).

Dentre o “Big Five Europeu”, que engloba os campeonatos nacionais da Inglaterra, Itália, Espanha, França e Alemanha, duas delas tiveram um jogador da primeira linha do campo como melhor jogador. Na La Liga, Jan Oblak ficou com o posto e, na Premier League, quem venceu foi Rúben Dias.

Quando o assunto são as copas de seleções, disputadas neste ano, sendo a Eurocopa e a Copa América, o goleiro italiano Gialuigi Donnarumma representa o jogadores que evitam o gol. Ele foi eleito o maior jogador do torneio europeu.

A marcação nos prêmios da FIFA

O prêmio de melhor do mundo da entidade máxima do futebol nem sempre reflete a opinião da Uefa. Isso porque os vencedores, em várias ocasiões, foram diferentes. A votação para o prêmio da FIFA é muito mais abrangente e engloba os capitães e técnicos de todas as seleções associadas à federação, enquanto a outra foi composta pelos 104 comandantes da Europa, sendo os 24 participantes da Eurocopa de 2020 e 80 da última Champions League, além de 55 jornalistas representantes dos países de cada associação que faz parte do organismo do Velho Continente.

Desde 1991, quando o prêmio foi criado, dois marcadores chegaram ao topo do mundo: o volante alemão Lothar Matthaus venceu a primeira edição e o zagueiro italiano Fabio Cannavaro, em 2006. Neste levantamento, estamos excluindo as parcerias e levando em conta todos os anos em que a FIFA participou do prêmio.

Em 20 edições, com 60 indicações e contando com os dois ex-jogadores, outros cinco defensores quase alcançaram a premiação individual máxima. confira a lista.

  1. 1995 – O zagueiro Paolo Maldini, Milan, ficou atrás George Weah, atacante do Paris Saint Germain à época.
  2. 1997 – O lateral Esquerdo Roberto Carlos, do Real Madrid, perdeu para Ronaldo, que atuava no Barcelona.
  3. 2002 – O goleiro Oliver Kahn, do Bayern de Munique, ficou atrás do Fenômeno, já na Inter de Milão.
  4. 2014 – Manuel Neuer, outro goleiro dos Bávaros, que ficou em terceiro, atrás de Cristiano Ronaldo, Real Madrid, e Messi, Barcelona.
  5. 2019 – O zagueiro Van Dijk, do Liverpool, atrás do recordista de bolas de ouro, que ainda defendia os blaugranas.

Com o sucesso de N’golo Kanté e Fabinho na temporada passada, é tendência que os dois jogadores entrem na disputa para o “FIFA The Best”, atual nome da premiação para o melhor jogador do mundo da entidade máxima do futebol.

 

Fonte: Metrópoles

print