21 mil idosos com mais de 60 anos podem não ter tomado primeira dose em Goiás, diz painel oficial

Dados oficiais da Secretaria de Saúde de Goiás (SES-GO) referentes à vacinação contra covid-19 apontam que mais de 21 mil idosos com 60 anos ou mais não tomaram nem a primeira dose do imunizante no Estado. O maior índice está nas pessoas com idade entre 60 a 69 anos: mais de 13,6 mil idosos nessa faixa etária não se vacinaram. No entanto, a SES-GO ressalta que, apesar de esses serem os dados oficiais, pode ocorrer de municípios terem feito a imunização e não incluído no sistema.

De acordo com os números da SES-GO, alimentados pelos municípios goianos, um total de 21.601 idosos com idade de 60 a 80 anos ou mais não tomaram a primeira dose do imunizante contra a Covid-19. Desses, 2.301 têm 80 anos ou mais de idade. Do total, 10.868 são do gênero masculino e 10.733 do gênero feminino.

Segundo dados da Secretaria de Saúde, número de idosos que não tomaram a primeira dose ultrapassar os 21 mil em Goiás (Foto: SES-GO)

Quanto à segunda dose ou dose única, o número registrado pela SES-GO de idosos com mais de 60 anos é consideravelmente mais alto: 56.267 não teria recebido o reforço do imunizante – 29.210 do sexo masculino e 27.057 do sexo feminino.

Entretanto, a SES-GO alertou para a possibilidade desses números não corresponderem totalmente à realidade. Segundo a pasta, pode ocorrer de os municípios terem feito a devida aplicação das doses da vacina nos idosos, mas não terem feito o registro no sistema ligado à Secretaria, apesar de serem constantemente cobrados para que a inclusão seja feita da forma correta. Com isso, a margem de erro de idosos que efetivamente tomaram, ou não, a primeira e segunda doses fica indefinida.

Internação de idosos em Goiás

De acordo com a SES-GO, a internação de idosos por causa de covid-19 em Goiás aumentou 70% entre junho e julho. Flúvia Amorim, superintendente de Vigilância em Saúde do Estado, disse que o fenômeno está relacionado ao fato de que os idosos foram os primeiros a tomar a primeira dose da vacina e que, a essa altura, os anticorpos já começam a cair.

A superintendente diz que é por este motivo que a prioridade agora deve ser aplicar uma dose extra de vacina todos os idosos em instituições de longa permanência, como asilos e abrigos.

Ao Mais Goiás, Flúvia explica que a redução de resposta do sistema imune em idosos se verifica a partir do sexto mês após a vacina contra a Covid-19. Porém, a superintendente destaca que essa condição biológica em verificada também nas vacinas contra a Influenza, por exemplo. Para conter o aumento de internações – já constatado em Goiás – e de mortalidade, Flúvia reafirma a necessidade do início rápido da aplicação da dose de reforço, ou “terceira dose”.

Fonte: Mais Goiás
print