Variante Delta é identificada em pelo menos 72 novos municípios brasileiros

O número de municípios no Brasil que registraram a circulação da variante Delta aumentou entre a última semana de agosto e a primeira semana de setembro.

A cepa originária da Índia foi identificada em 7,7%, ou 181 das cidades brasileiras consultadas pela pesquisa semanal feita pela Confederação Nacional de Municípios (CNM). Isso indica que, em relação à pesquisa anterior, quando o percentual era de 5,4%, a Delta foi registrada em 72 municípios que antes não tinham registros de circulação desta variante.

O relatório, divulgado na última sexta-feira (3), foi feito com base em dados coletados entre os dias 30 de agosto e 2 de setembro, após consultar 2.344 gestores municipais, o que representa 42,1% dos municípios do Brasil.

Ainda no que diz respeito à variante Delta, 88%, ou 2.062 dos municípios consultados, informaram que não há circulação da variante e 4,3%, ou 101 cidades, não responderam aos questionamentos. A variante Delta atualmente é a grande responsável pelo aumento de casos em diversas regiões, tendo se mostrado mais transmissível do que as outras em circulação. No estado do Rio de Janeiro, por exemplo, cerca de 90% das variantes sequenciadas entre os dias 4 e 16 agosto eram da Delta.

Dentre os diversos temas abordados, a CNM também questionou sobre as restrições de circulação ou de atividade econômica. 48,8% dos municípios consultados ainda mantinham, até pelo menos sexta (3), ações de restrições, medidas de isolamento social, fechamento de serviços não essenciais dentre outras.

Em 48,2% não houve nenhum tipo de medidas de contenção. O CNM ressaltou que o número de cidades que adotam medidas de restrição econômica vem reduzindo no decorrer das últimas semanas.

Falta de vacinas

O relatório mostrou, ainda, que na semana passada 367 cidades, ou 15,7% dos municípios consultados, registraram falta de vacinas contra a Covid-19 para aplicação. Em 81% deste municípios a vacinação seguiu normalmente e 3,3% das cidades não responderam.

Das cidades que registraram falta de vacinas, 80% apontaram falta do imunizante para a 1ª dose. Já a falta de imunizantes para a segunda dose foi apontada por 37,1% dos municípios que declararam a falta de vacinas. Há municípios que declaram a falta da 1ª e da 2ª dose, mas este número não foi especificado.

Segundo o levantamento, 24% dos 2.344 municípios pesquisados têm pelo menos 50% das pessoas com o ciclo vacinal completo contra o novo coronavírus. No entanto, 71% das cidades que responderam à pesquisa informaram que imunizaram, com ambas as doses ou com a dose única, menos de 50% da população.

Redução de mortes

Um dos dados mais positivos da pesquisa mostra que não foram registradas novas mortes, na semana passada, em 1.621 cidades respondentes, o que equivale a 69,2% dos municípios consultados.

Já em 229 cidades (9,8%) houve redução no número de mortes, em 12,9% o número de mortes se manteve estável e em apenas 5,5% das cidades foi detectado um aumento de vidas perdidas em decorrência da pandemia.

 

Fonte: CNN

print