Cena subaquática vence prêmio de fotografia da vida selvagem; veja as ganhadoras

Organizado pelo Museu de História Natural de Londres, a 57ª edição do concurso teve 50.000 inscrições de 95 países competindo por um prêmio – com fotos que vão desde uma batalha de renas a uma aranha venenosa escondida debaixo de uma cama.

O fotógrafo subaquático francês Laurent Ballesta foi coroado pelo Wildlife Photographer por sua foto de garoupas camufladas saindo de sua nuvem leitosa de ovos e esperma em uma reserva da biosfera em Fakarava, na Polinésia Francesa.

Ballesta voltou à lagoa Fakarava cinco anos consecutivos para capturar a desova anual que ocorre por volta da lua cheia de julho. Garoupas camufladas são uma espécie vulnerável ameaçada pela pesca predatória, disse o museu em um comunicado à imprensa na terça-feira (12).

“No que pode ser um ano crucial para o planeta, com discussões vitais ocorrendo na COP15 e COP26, a criação de Laurent Ballesta é um lembrete oportuno do que podemos perder se não abordarmos o impacto da humanidade em nosso planeta”, disse o diretor do Museu de História Natural, Doug Gurr, no comunicado à imprensa.

Enquanto isso, o pequeno fotógrafo indiano Vidyun R. Hebbar, de 10 anos, recebeu o prêmio de Jovem Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano por sua imagem de uma aranha tecedeira-colonial em sua teia, com um auto-riquixá (veículo conhecido popularmente como “tuk-tuk”) passando ao fundo.

Os vencedores foram anunciados em um total de 19 categorias, com este ano apresentando três novas adições – “Lagoas ou canais artificias”, “Oceanos” e “Arte Natural”.

Outras imagens vencedoras incluíram a foto do fotógrafo kuwaitiano Majed Ali de um gorila da montanha desfrutando de um banho de chuva e uma foto do gelo marinho fraturado usado como plataforma de nascimento de focas, pela fotógrafa americana Jennifer Hayes.

O concurso para Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano de 2022 começa em 18 de outubro.

 

Fonte: CNN

print