Covid-19: variante Delta predomina em Goiânia, mas Gama Plus é a que mais mata

variante Delta da Covid-19 já é considerada pelas autoridades sanitárias como predominante em Goiânia. Segundo a Superintendência de Vigilância em Saúde de Goiânia, a cepa passou a ser mais identificada nos sequenciamentos genômicos em relação às outras a partir de agosto deste ano e, desde então, apresenta uma tendência de crescimento. No entanto, a maior parte dos óbitos registrados até agora vêm da variante Gama Plus.

Ao Mais Goiás, o superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS), Yves Mauro, informou que a pasta realiza o sequenciamento das variantes do coronavírus em circulação na capital desde a semana 28, que corresponde ao início de julho. Segundo ele, o monitoramento ocorre de forma substancial com cerca de 50 amostras por semana.

“Essas amostras são de pessoas que vieram a óbito, internadas com Covid-19, que tiveram reinfecção pela doença e aquelas com casos de síndrome gripal, justamente para verificar como está a distribuição das variantes tanto em casos graves, como em casos leves e moderados”, explica.

De julho até agora, 290 amostra amostras foram sequenciadas. Dessas, 72 são da variante Delta. Yves relata que, no decorrer da semana 28, a variante da Covid-19 que predominava era a Gama Plus. Porém, a partir das semanas 34 e 35 – que equivalem ao final de agosto, uma mudança foi observada com a Delta passando a predominar. “Desde a semana 31 [em agosto], tem havido um aumento persistente dessa variante”, completa.

Ainda sem óbitos pela variante Delta

Apesar da variante Delta estar em prevalência em Goiânia, a cidade ainda não registrou nenhum óbito provocado por ela. Segundo o superintendente Yves Mauro, a maioria dos óbitos ainda é causada pela Gama Plus. “Dos casos que sequenciamos, 15 óbitos foram pela Gama Plus e 10 pela Gama. Não houve nenhum da Delta”, disse.

Segundo dados da SMS desta quinta-feira (14), Goiânia tem 220.239 casos confirmados de Covid-19 e 6.627 óbitos provocados pela doença.

 

Fonte: Mais Goiás

print