Com demanda por combustível em alta, maior refinaria da Petrobras tem menor produção do ano

Em um cenário de aumento da demanda por combustível e no qual a Petrobras já informou que não poderá atender todos os pedidos para novembro, a maior refinaria da companhia, a Replan, em Paulínia (SP), registrou o menor volume de processamento de petróleo e produção de derivados para um mês em 2021.

Dados da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) mostram que a planta processou 1.546.811 metros cúbicos (m³) de petróleo em setembro. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a redução é de 10,5%.

A Refinaria de Paulínia (Replan) tem capacidade para processar 69 mil metros cúbicos (m3) de petróleo por dia. Na planta são produzidos derivados como gasolina, diesel, querosene de aviação, gás liquefeito de petróleo (GLP), óleo combustível, asfalto, propeno e bunker, entre outros.

Em nota emitida no dia 19 de outubro, a estatal disse que “os pedidos extras solicitados para novembro vieram 20% acima da sua capacidade de suprimento no caso do diesel e 10% acima em relação à gasolina, configurando-se como uma demanda atípica tanto em termos de volume como no prazo para fornecimento.”

O balanço da ANP mostra que a Replan registrou queda na produção desses dois derivados. No caso da gasolina, foram produzidos 446.017 metros cúbicos em setembro, 3,3% menos no comparativo com o mesmo mês de 2020 (461.417 m³).

Volume de gasolina produzida pela Replan

  • Jan/21: 428.111m³
  • Fev/21: 376.687m³
  • Mar/21: 370.141m³
  • Abr/21: 361.877m³
  • Mai/21: 502.505m³
  • Jun/21: 489.950m³
  • Jul/21: 451.405m³
  • Ago/21: 470.317m³
  • Set/21: 446.017m³

 

Já o diesel, que é o derivado de petróleo de maior volume de produção da Replan, teve uma queda de 28,64%: 633.724m³, contra 888.102m³, de setembro de 2020.

  • Jan/21: 820.994m³
  • Fev/21: 768.757m³
  • Mar/21: 935.134m³
  • Abr/21: 821.494m³
  • Mai/21: 918.482m³
  • Jun/21: 896.801m³
  • Jul/21: 926.724m³
  • Ago/21: 855.291m³
  • Set/21: 633.724m³

 

g1 procurou a Petrobras para comentar os resultados de setembro e o motivo da queda na produção dos derivados, mas a estatal não se manifestou até esta publicação.

Mercados atendidos

 

Os derivados produzidos em Paulínia atendem os seguintes mercados:

  • Interior de São Paulo
  • Sul de Minas
  • Triângulo Mineiro
  • Mato Grosso
  • Mato Grosso do Sul
  • Rondônia
  • Acre
  • Goiás
  • Brasília (DF)
  • Tocantins

 

Fonte: G1.

print