De dez empresas goianas, quatro tiveram queda no faturamento em razão da pandemia

De dez empresas goianas, quatro tiveram queda no faturamento em razão da pandemia de Covid-19. A informação é de um estudo realizado pela Acieg (Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Goiás). Mesmo assim, mais de 80% dos comerciantes  entrevistados acreditam na retomada da economia em 2022.

Segundo a entidade, o estudo ouviu 90 empresas de pequeno, médio e grande porte, todas espalhadas por Goiás. Entre os participantes, 38,3% disseram ter tido a receita média diária reduzida pela metade por conta da crise sanitária. Outros 61,6% relataram não ter tido uma queda tão expressiva, que se manteve em até 30%.

Porém, a falta de dinheiro para arcar com os gastos foi e continua sendo a maior preocupação dos empresários. Em seguida, eles mencionam o acesso ao crédito, a concorrência e o aluguel como as maiores angústias de março de 2020 até hoje.

“Já se passou mais de um ano e meio desde o início da pandemia e o problema persiste, quase nas mesmas proporções de antes. Só que com o agravante de ter alongado o sofrimento das empresas, sem falar em dezenas de milhares que foram extintas, em boa parte, por falta de “atendimento” de emergência neste momento de crise”, conclui o estudo da Associação.

Crise na pandemia – caso real

Leonardo Marcatti é dono de uma empresa de mídia e publicidade goiana há 12 anos. Segundo o empresário, durante a pandemia ele cancelou contratos e suspendeu as mídias que veiculava. Com isso, teve prejuízo e não conseguiu manter o faturamento da companhia.

Apesar disso, Leonardo afirma que não precisou demitir nenhum funcionário. Para conseguir burlar os desafios, o empresário conta que precisou adequar a despesa, cortar gastos e adotar um novo planejamento.

Fonte: Mais Goiás.

print