Vigilante atacado com tesoura durante assalto à supermercado não corre risco de morte

Não corre risco de morte o vigilante Fernando Cândido da Silva, de 36 anos, atacado com uma tesoura durante um assalto ao Supermercado Barão, em Aparecida de Goiânia. O caso aconteceu na tarde desta segunda-feira (8), dentro do estabelecimento, situado no Jardim Tiradentes. Segundo a Polícia Militar (PM), um homem entrou no estabelecimento e tentava furtar alguns vidros de perfume. Mas, após ter sido detido por Fernando, o suposto assaltante reagiu e atacou a vítima com uma tesoura.

Em nota, o Supermercado explicou que Fernando faz a segurança da empresa há 4 anos. Na tarde desta segunda (8), ele teria notado uma ação estranha de um suposto cliente e decidiu abordar o homem. Na versão do supermercado, o suposto assaltante furtava uma faca, ao invés de vidros de perfume.

Fernando chegou a deter o suspeito e levá-lo para uma sala de segurança do estabelecimento. Porém, lá, o homem alcançou uma tesoura e atacou o pescoço do vigilante. Durante a luta corporal, a vítima efetuou um disparo acidental, que atingiu a parede do supermercado. Em seguida, o suspeito fugiu.

Ainda segundo o Supermercado, após o ataque, funcionários da empresa socorreram Fernando. Ele ficou internado no Pronto Socorro de Aparecida de Goiânia, sobreviveu às lesões e se recupera junto com a família. Clientes que estavam dentro do comércio filmaram o momento de socorro à vítima.

Vigilante atacado com tesoura teria dado tiro e motivado crime, afirma preso

A PM informou que logo após o ocorrido, militares realizaram buscas pela região e identificaram o suspeito. Agora, ele está preso e, em um vídeo divulgado pela corporação, admite que tentava furtar o supermercado. No entanto, segundo o suspeito, ele somente atacou o segurança para se defender do tiro.

“Ele já tinha sacado a arma e deu um tiro. Ai eu saí correndo, né? Vi a tesoura e cortei o pesçoco dele”, narrou o suspeito. Ainda no vídeo, o homem explica que já tem condenação por roubo, conforme o Artigo 157, e estava foragido da justiça.

Caso deverá ser investigado pela Polícia Civil.

*Larissa Feitosa compõe programa de estágio do Mais Goiás sob supervisão de Hugo Oliveira.

print