Suspeita de extorquir pessoas em troca de proteção espiritual é presa em Alvorada do Norte

Uma mulher está presa suspeita de extorquir pessoas em troca de proteção espiritual contra problemas de saúde. O suposto crime acontecia em Alvorada do Norte, cidade do Nordeste de Goiás, por anos. A Polícia Civil estima que somente contra uma das vítimas, a suspeita tenha causado um prejuízo de R$ 400 mil ao longo de 4 anos. Após as investigações, agentes civis prenderam a mulher nesta segunda-feira (8), de maneira preventiva.

Segundo a polícia, a mulher dizia às vítimas que enxergava um mal espiritual próximo à elas. O espírito maligno provocava problemas de saúde capazes de causar a morte das vítimas ou entes queridos delas. Como solução para isso, a suspeita oferecia sessões espirituais e “rezas”, que custavam caro.

Proteção espiritual: “suspeita se aproveitava do desespero emocional”, diz vítima

Uma das vítimas disse à polícia que era aterrorizada há 4 anos. Ela afirma já ter enviado pelo menos R$ 400 mil durante este período para a mulher. Mas, continuava sendo ameaçada, principalmente em momentos de fragilidade emocional e desespero.

Em um dos episódios mais graves, a vítima conta que a suspeita chegou a exigir uma procuração de transferência da casa em que a vítima morava.

Durante a investigação, os agentes encontraram diversos depósitos e transferências de valores debitados da conta desta vítima e creditados na conta da suspeita. Contudo, segundo a polícia, existem outras pessoas lesadas pela atuação criminosa da suspeita. Com todas, a polícia afirma que a mulher usava a mesma forma de ação.

Prisão

Nesta segunda-feira (8) a polícia cumpriu um mandado de prisão preventiva contra a mulher. Na ocasião, ela saía de um supermercado, na cidade de Simolândia. Em seguida, a encaminharam para o presídio feminino de Formosa e a deixaram disposição da justiça.

Mais Goiás não localizou a defesa da suspeita para manifestação. Além disso, não conseguiu ter acesso ao depoimento dela e qual a justificativa que ela deu aos crimes que está sendo investigada.

Fonte: Mais Goiás.

print