Destruição de satélite por arma russa acrescenta destroços ao “lixão espacial”

Dias depois das potências mundiais terem encerrado uma cúpula climática em Glasgow, outra emergência ambiental estava se desdobrando – desta vez no espaço.

Na segunda-feira (15), a Rússia disparou um míssil em um de seus próprios satélites como um teste, gerando milhares de detritos que fizeram com que membros da tripulação da Estação Espacial Internacional precisassem se refugiar.

O teste antissatélite foi condenado por autoridades americanas – e por grande parte da comunidade científica – como um “ato imprudente e perigoso” que poderia representar uma ameaça para as atividades espaciais nos próximos anos.

O teste de mísseis criou mais de 1.500 pedaços de destroços rastreáveis, de acordo com o Comando Espacial dos EUA. Os fragmentos são um perigo para a atual tripulação de sete pessoas na Estação Espacial Internacional — que inclui dois russos — e para outros satélites que fornecem serviços de comunicação cruciais na Terra.

Mas o lixo espacial recém-criado também aumenta as mais de 9.600 toneladas de detritos que orbitam nosso planeta, de acordo com a Agência Espacial Europeia.

Mais de seis décadas depois que os soviéticos lançaram o primeiro satélite, o Sputnik 1, o ferro-velho em nossos céus está crescendo. Especialistas alertam que, assim como a crise climática que a Terra enfrenta, o espaço também está sentindo o impacto da atividade humana.

“Você pode olhar o acúmulo de plástico nos oceanos da Terra e o acúmulo de lixo em órbita como sendo muito semelhantes”, disse Hugh Lewis, professor de engenharia e ciências físicas da Universidade de Southampton, no Reino Unido.

“O ambiente terrestre e o ambiente espacial são apenas ambientes”, disse ele, acrescentando que, enquanto alguns governos estão trabalhando para melhorar a sustentabilidade espacial, ainda há muito trabalho diplomático necessário.

O lixo espacial não estava na mesa de negociações na cúpula climática da COP26.

Lixão no céu

Invisíveis no céu noturno, há centenas de milhões de objetos de escombros orbitando nosso planeta. Estes destroços são compostos de partes de satélites antigos, bem como satélites inteiros inoperantes e corpos de foguetes.

De acordo com um relatório feito pela Nasa em janeiro, pelo menos 26.000 dos pedaços de lixo espacial que orbitam a Terra têm o tamanho de uma bola de beisebol — suficientemente grande para destruir um satélite; mais de 500.000 pedaços de lixo são do tamanho de uma bola de gude — capazes de danificar naves espaciais, enquanto “mais de 100 milhões de pedaços são do tamanho de um grão de sal que poderia perfurar um traje espacial”.

Como estes fragmentos batem uns nos outros, eles podem criar ainda mais pedaços de detritos orbitais menores.

“Quanto menor o fragmento, normalmente mais rápido ele se decompõe fora do ambiente”, disse Lewis.

Os detritos criados a partir dos testes de mísseis da Rússia variam em altitude de 440 a 520 quilômetros, de acordo com o serviço de rastreamento espacial LeoLabs.

Os detritos nesta altitude são uma “preocupação, mas em muitos sentidos uma bênção”, disse Lewis. Ele explicou que os detritos iriam essencialmente “chover” e “queimar” ao reentrar na atmosfera da Terra.

Mas o recente teste de mísseis da Rússia também causará um “aumento significativo das ações para evitar a colisão de obstáculos” a serem tomadas pelos satélites, disse Tim Flohrer, um especialista em detritos espaciais da Agência Espacial Europeia.

Flohrer também apontou para a importância de serviços como telecomunicações, previsão do tempo e GPS – todos os quais dependem de satélites.

Ele disse que embora as pessoas possam não sentir o impacto imediato do lixo espacial em sua vida diária, a sociedade está, no entanto, cada vez mais “dependendo do espaço como infraestrutura para muitos serviços em terra”.

“Se a quantidade de lixo espacial aumentar cada vez mais, isso coloca em perigo o uso futuro do espaço por todos”, disse ele.

Rússia flexiona músculos espaciais

Por que a Rússia realizaria este teste agora é “a questão de um bilhão de dólares”, disse Lewis.

“No passado, as nações realizaram este tipo de testes para demonstrar sua tecnologia e capacidade – e também para fazer uma declaração de que são capazes de fazer isso”, disse ele.

Apenas alguns países – os EUA, Rússia, Índia e China – realizaram com sucesso testes antissatélite de armas.

Esta não é a primeira vez que a Rússia realiza tais testes. Mas o incidente de segunda-feira atraiu a condenação ocidental por potencialmente colocar em perigo a ISS e sua tripulação.

A tripulação teve que vestir rapidamente seus trajes espaciais e pular em suas naves em caso da estação ser atingida por alguns destroços, de acordo com a agência espacial russa ROSCOSMOS.

Em uma mensagem postada no Twitter, a agência minimizou o perigo.

“A órbita do objeto, que forçou a tripulação hoje a se mover para dentro da nave espacial de acordo com os procedimentos padrão, se afastou da órbita da ISS”, diz o tweet. “A estação está na zona verde”.

O incidente vem em um momento de maiores tensões entre os EUA e a Rússia.

As autoridades americanas lançaram publicamente o alarme sobre o acúmulo de tropas russas perto de sua fronteira com a Ucrânia e se juntaram às nações europeias para expressar preocupação com a crise migratória na fronteira com Belarus, aliado próximo da Rússia.

*Com informações de Katie Hunt, Kylie Atwood, Jim Sciutto, Kristin Fisher e Nicole Gaouette, da CNN.

 

 

Fonte: Matéria CNN Brasil.

print