PF cumpre mandado contra jovem suspeito de apologia ao nazismo no Paraná

A Polícia Federal (PF) cumpre nesta quarta-feira (17) mandado de busca e apreensão na residência de um aluno do Instituto Federal do Paraná (IFPR), investigado pela prática de crimes de incitação ao racismo, veiculação de imagens da suástica, de ideais nazistas e de supremacia branca nas redes sociais.

Segundo a investigação, conduzida pelos agentes da delegacia de Paranaguá, no Paraná, o jovem vinha divulgando imagens contendo mensagens depreciativas e de menosprezo sobre o povo Judeu.

Além disso, o jovem se autointitulava um “nazista alemão reencarnado” e divulgava vídeos e imagens dos massacres ocorridos nas cidades de Suzano, em São Paulo, em 2019, e em Columbine, nos Estados Unidos, ocorrido em 1999.

Segundo os agentes, ele enaltecia os ataques praticados. O jovem teve seus dispositivos eletrônicos apreendidos pela equipe de investigação e foi ouvido na delegacia da PF de Paranaguá.

Com análise do conteúdo, a PF pode concluir as investigações ou mesmo identificar outros envolvidos.

Se comprovada prática dos crimes, o jovem será indiciado pela PF e poderá sofrer pena de até cinco anos de reclusão e multa, além de eventuais outros crimes que possam ser identificados partir das buscas feitas nesta quarta-feira.

IFPR diz que aluno responde a processo disciplinar

Em nota, o IFPR afirmou que recebeu a notícia da operação da PF contra um de seus alunos “com repulsa e tristeza” e que ele responde a um processo disciplinar no campus de Paranaguá.

“Informamos que, no âmbito do IFPR, a situação específica deste estudante já estava sendo tratada em um processo disciplinar no Campus Paranaguá e que o caso continuará sendo analisado nas instâncias institucionais apropriadas, no tempo adequado, e com respeito à ampla defesa, como deve ocorrer no Estado Democrático de Direito.”

“A defesa de discursos nazifascistas, que tanto mal já causaram à humanidade, é inadmissível e jamais encontrará espaço em nossa instituição”, completa a nota.

 

 

 

Fonte: Matéria CNN Brasil.

print