Entenda como o tênis desafia a China após sumiço de atleta que denunciou abuso

Quando a estrela do tênis Peng Shuai revelou sua explosiva acusação de abuso feita contra um antigo líder do Partido Comunista no início deste mês, o governo chinês respondeu de forma típica: abafando-a com censura generalizada.

Agora, mais de duas semanas depois, Pequim enfrenta uma tempestade de sua própria autoria, à medida que a comunidade global de tênis feminino se levanta para desafiar as autoridades chinesas por silenciar um de seus pares.

O dilema de Pequim

Ao silenciar Peng, Pequim está enfrentando um dilema incomum. Se Peng aparecesse na televisão estatal, os analistas dizem que muitos levarão o que ela diz pouco a sério, dado o longo histórico da mídia estatal chinesa de realizar confissões forçadas ou declarações feitas sob coação de pessoas em detenção extrajudicial.

E, nas democracias ocidentais, seria fácil para o partido no poder negar tais acusações, ou mesmo distanciar o fato do alto funcionário. Na China, os líderes partidários estão além da censura dos membros do público em geral.

E Zhang não é um líder comum. Ele serviu uma vez no Comitê Permanente do Polituro do Partido Comunista, o órgão supremo de liderança do país, ao lado do presidente chinês Xi Jinping.

A única maneira dos líderes seniores caírem da graça é serem disciplinados pelo próprio partido – como alguns fizeram na ampla campanha anticorrupção de Xi.

Até hoje, o governo chinês tem repetidamente se recusado a comentar o caso de Peng. Falando em uma coletiva de imprensa na quinta-feira (18), o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian, disse que a acusação de Peng não é uma questão diplomática e se recusou a comentar mais. A CNN procurou o Escritório de Informação do Conselho de Estado da China para comentar.

A sensibilidade política talvez seja melhor demonstrada em um tweet de Hu Xijin, editor-chefe do tabloide estatal nacionalista Global Times. Hu é o único propagandista de alto nível da mídia estatal que comentou o caso de Peng em público, embora em uma plataforma banida na China.

“Como uma pessoa familiarizada com o sistema chinês, não acredito que Peng Shuai tenha recebido retaliação e repressão especulada pela mídia estrangeira pelo que as pessoas falaram”, escreveu ele na madrugada de quinta-feira, aparentemente com muito medo até mesmo de mencionar o nome do acusado ou a natureza da alegação.

*Esta matéria foi traduzida.

 

Fonte: CNN Brasil.

print