“Mega Vacinação” contra a Covid-19 começa neste sábado em seis capitais

A campanha nacional “Mega Vacinação” contra a Covid-19 começa neste sábado (20). Segundo o Ministério da Saúde, vai haver mobilização simultânea nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Manaus, Curitiba, Salvador e Brasília para imunizar a população.

A campanha vai até 26 de novembro. Neste período, os postos de vacinação em todo país estarão preparados para intensificar a imunização, conforme o Ministério da Saúde. O objetivo é incentivar a vacinação com a segunda dose e a dose de reforço.

De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 21 milhões de brasileiros não tomaram a segunda dose da vacina. A orientação a esse público é que procurem os postos e completem o esquema vacinal.

São Paulo, com 4,1 milhões de pessoas, e Minas Gerais, com mais de 2,2 milhões, são os estados com mais brasileiros que não retornaram aos postos de vacinação para tomar a segunda dose.

Ainda segundo a pasta, mais de 100 milhões de pessoas podem reforçar a imunidade contra a Covid-19 com uma terceira dose da vacina, agora disponível para todos os adultos com mais de 18 anos. A previsão do Ministério da Saúde é que 12,5 milhões de pessoas tomem a dose de reforço em novembro e 2,9 milhões em dezembro.

“Nós queremos convidar a todos os brasileiros que não foram tomar a segunda dose, assim como a dose de reforço, a procurar as Unidades Básicas de Saúde (UBS), salas de vacinação e as estratégias usadas em cada município”, afirmou o ministro da Saúde Marcelo Queiroga.

“Essas doses estão disponíveis para a população, que ficará mais protegida e ajudará o Brasil a superar a crise sanitária e dar exemplo com uma das campanhas de vacinação mais bem-sucedidas do mundo, promovida integralmente pelo Sistema Único de Saúde”.

Segundo o governo federal, Queiroga participará da abertura da “Mega Vacinação” no Rio de Janeiro, que ocorrerá na Cidade das Artes.

Terceira dose contra a Covid-19

Após ter iniciado em setembro a aplicação da terceira dose da vacina contra Covid-19 em idosos e imunossuprimidos, o Brasil está expandindo a vacinação com dose adicional. Marcelo Queiroga anunciou que o governo vai aplicar uma dose de reforço da vacina para toda a população acima de 18 anos.

A aplicação será para quem tomou a segunda dose há mais de cinco meses. Além de o público ter sido ampliado, o intervalo entre aplicações diminuiu — visto que anteriormente o intervalo mínimo deveria ser de seis meses.

A terceira dose deve ser preferencialmente da Pfizer ou uma vacina diferente da aplicada nas duas primeiras. No caso de quem tomou duas doses da Pfizer, o Ministério da Saúde afirmou que ainda está decidindo qual será a dose adicional aplicada.

Os resultados preliminares de um estudo da Universidade de Oxford sobre a dose de reforço, encomendado pelo Ministério da Saúde, mostram que o esquema heterólogo — a combinação de vacinas diferentes — aumenta significativamente a imunidade.

Segundo a pasta, os imunizantes que serão usados na dose de reforço de todos os maiores de 18 anos serão os da AstraZeneca, Pfizer e Janssen. A orientação, no entanto, é que o reforço seja aplicado, preferencialmente, com a vacina da Pfizer. Na falta desse imunizante, pode ser aplicada a Astrazeneca ou Janssen.

Vacina da Janssen

O Ministério da Saúde atualizou a recomendação quanto à vacina da Janssen, aplicada anteriormente como dose única. A partir de agora, uma segunda dose da Janssen será aplicada com intervalo de oito semanas após a primeira.

Após concluir o ciclo vacinal, uma dose de reforço será aplicada respeitando o prazo de cinco meses recomendado pelo ministério. Nos Estados Unidos, por exemplo, a imunização da Janssen também já vem sendo reforçada.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) questionou o Ministério da Saúde sobre o reforço da vacina da Janssen contra a Covid-19. A própria farmacêutica foi pega de surpresa com a decisão de aplicar a dose de reforço no Brasil.

Em resposta às indagações da Anvisa sobre o novo ciclo de imunização no país, com utilização de doses de reforço para adultos acima dos 18 anos, o Ministério da Saúde afirmou que “as atualizações científicas apresentadas reforçam a capacidade das diferentes vacinas contra Covid-19 em produzir memoria imunológica, bem como de amplificar a reposta imunológica com dose de reforço ao esquema vacinal inicial da população acima dos 18 anos”.

 

 

Fonte: CNN Brasil.

print