Pastora orava com fiéis quando foi morta por homem nu em possível surto psicótico, diz PM

A pastora evangélica Odete Rosalina da Costa, 82, foi morta por um homem nu em possível estado de surto psicótico enquanto orava com fiéis, de acordo com a policial militar (PM), responsável pela prisão do suspeito. O caso aconteceu na manhã desta sexta-feira (14), no Residencial Kátia, em Goiânia. O detido presta depoimento à Polícia Civil.

De acordo com o tenente Leandro Rocha, do 42º Batalhão da Polícia Militar, a corporação foi acionada para atender a uma ocorrência de violência doméstica contra um homem que teria surtado após problema familiar.

Homem nu em possível surto encontrou igreja aberta e atacou pastora aleatoriamente, diz PM

De acordo com Rocah, a pastora não tinha nenhuma ligação com o homem. “A equipe [de policiais] estava empenhada para atender uma ocorrência de violência doméstica. No local, foi informada de que o suspeito tentou falar com a esposa, que não o atendeu. Então, ele surtou, quebrou o carro do sogro e pulou o muro”, explica o policial.

O PM continua. “Quando a equipe chegou, ela já tinha evadido do local. O suspeito viu uma igreja aberta a cerca de 1km do local da residência onde a ocorrência teve início e adentrou. O pessoal estava orando, jejuando lá. Ele pulou para dentro, surtou e agrediu essa vítima aleatoriamente”, conta o tenente.

Objeto usado para atacar a pastora não foi encontrado

O policial relata que o objeto usado para agredir a pastora, possivelmente uma barra de ferro,  não foi encontrado. O homem, que evadiu da igreja após o ataque foi encontrado nas imediações do local.

O Corpo de Bombeiros foi acionado e prestou socorro a vítima que não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no local.

O homem foi autuado em flagrante e conduzido para Central de Flagrantes onde presta depoimento.

“Não sabemos se foi golpes de ferro ou a pauladas, a gente não achou o material do crime. Ele deferiu vários golpes na cabeça da vítima e ela veio a óbito. Posteriormente, o pegamos em uma avenida próxima dali”, relata.

Fonte: Mais Goiás

print