Microsoft vai comprar Activision Blizzard por US$ 68,7 bilhões, maior aquisição do mercado de games

A Microsoft anunciou nesta terça (18) que vai comprar a Activision Blizzard, uma das maiores empresas de games do mundo, por US$ 68,7 bilhões, cerca de R$ 379 bilhões. Com esse valor, ela se torna a maior aquisição do mercado de jogos.

Se o negócio for concluído, a Microsoft vai se tornar a terceira maior empresa de games do mundo, por reunir a plataforma e os estúdios do Xbox e o portfólio da Activision, que inclui jogos como “Call of Duty”, “Overwatch”, “Warcraft”, “Candy Crush” e a franquia de Tony Hawk.

De acordo com a gigante de tecnologia, a compra já foi aprovada pelos conselhos das duas empresas. Agora, precisa da aprovação dos acionistas da Activision Blizzard e da conclusão da revisão regulatória.

Atualmente, a Activision Blizzard tem cerca de 400 milhões de jogadores ativos mensais em 190 países e franquias que valem bilhões de dólares. Embora a empresa não divulgue números de seus jogos, avaliadores do mercado de games estimam que o Candy Crush movimente até US$ 3 milhões por dia. As receitas do jogo cresceram 20% em 2021 e ele foi a franquia mais lucrativa em lojas de aplicativos nos Estados Unidos.

Em setembro de 2020, a Microsoft já havia comprado a a ZeniMax Media, empresa proprietária da Bethesda Softworks, desenvolvedora e publicadora de jogos, por US$ 7,5 bilhões de dólares, cerca de R$ 40 bilhões.

A transação ocorre em meio a um processo de assédio sexual movido, em julho do ano passado, pelo Departamento de Emprego e Habitação da Califórnia contra a Activision Blizzard.

O órgão acusa a desenvolvedora de games de casos de assédio sexual, agressão e de manter um ambiente hostil contra mulheres, que recebiam salários desiguais e enfrentavam retaliações.

Em agosto, o presidente da Blizzard, Allen Brack, deixou o comando da empresa.

Entenda o caso

 

Funcionários e manifestantes protestam em apoio a processo por abuso sexual em frente à sede da Activision Blizzard, nos Estados Unidos — Foto: David McNew/AFP

Funcionários e manifestantes protestam em apoio a processo por abuso sexual em frente à sede da Activision Blizzard, nos Estados Unidos — Foto: David McNew/AFP

Em julho de 2021, funcionários da Activision Blizzard realizaram uma greve e um protesto em frente à sede da empresa nos Estados Unidos.

Com a participação de outros manifestantes, eles demonstravam apoio a um processo por assédio sexual contra a desenvolvedora de franquias como “Warcraft” e “Call of Duty” e pediam tratamento justo para trabalhadores de minorias.

No processo, o órgão afirma que a empresa criou uma cultura de “assédio sexual constante” e discriminação de gênero. Desde então, diversas mulheres se manifestaram a favor da acusação.

Segundo a ação, os escritórios da desenvolvedora de games pareciam uma república masculina de universidades, onde funcionários homens bebiam, falavam abertamente sobre corpos femininos e faziam piadas sobre estupro.

Por causa disso, mulheres eram submetidas a diversos comentários sexuais, cantadas, tinham os corpos agarrados e sofriam outras formas de abuso. O comportamento era conhecido pelos supervisores e até encorajados por eles.

O processo também cita uma funcionária que teria cometido suicídio após inúmeros assédios.

Fonte: Portal G1.

print