Gustavo Mendanha está “99,9% fechado com o PL”, diz presidente da sigla em Goiás

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (sem partido), está “99,9% fechado com o PL”, de acordo com o presidente da sigla em Goiás, Flávio Canedo. “A porcentagem é igual exame de DNA que confirma a paternidade de criança”, compara.

Mendanha deixou o MDB no final de setembro por não concordar com a aliança que definiu o presidente estadual da legenda, Daniel Vilela, como candidato a vice na chapa do governador Ronaldo Caiado (DEM/União Brasil).

Desde então, o prefeito de Aparecida de Goiânia tem buscado um novo refúgio para viabilizar sua candidatura ao Palácio das Esmeraldas. Nas pesquisas internas, ele aparece como o nome de oposição mais competitivo, com cerca de 10% atrás de Caiado.

Ao lado do Podemos, o PL sempre esteve entre as principais possibilidades de filiação. “Mendanha vai se filiar ao partido nos próximos dias”, garante Canedo, sem especificar se isso significa que a decisão será tomada ainda em janeiro ou fevereiro.

O prazo final para candidatos nas eleições de outubro mudarem de legenda, período conhecido como janela partidária, se encerra no dia 2 de abril. Pessoas ligadas a Mendanha, porém, estimam que o martelo só será batido em março.

Como o jornal O Hoje já mostrou, a demora para o prefeito de Aparecida de Goiânia decidir o partido tem gerado certa inquietação entre seus aliados, muitos dos quais dependem da escolha de Mendanha para resolver seus respectivos futuros.

O convite para ele se filiar ao PL foi feito por Canedo e sua esposa, a deputada federal Magda Mofatto, antes mesmo de o presidente Jair Bolsonaro ingressar nas fileiras da sigla, o que tem contribuído para a indefinição devido a dois motivos.

Primeiro, porque Mendanha já sinalizou que, em um primeiro momento, gostaria de focar em Goiás e, portanto, evitar se envolver com a disputa nacional. Na verdade, ele queria mesmo apoiar um candidato de centro da terceira via, ou seja, contra Bolsonaro e o ex-presidente Lula (PT).

Logo, estar na mesma legenda de Bolsonaro dificultaria esse objetivo. Além disso, o próprio presidente tem a intenção de lançar a candidatura a governador do deputado federal Vitor Hugo (de saída do PSL), seu maior aliado no estado.

Canedo e Mofatto são considerados bolsonaristas. No entanto, resistem a uma suposta imposição de Bolsonaro ao nome de Vitor Hugo como governadoriável pelo partido. “Não é o momento para ele ser governador”, afirma o presidente do PL goiano. “Ainda não tem história em Goiás para isso.”

Segundo Canedo, ele “nunca conversou” com Vitor Hugo sobre sua ida ao PL, mas faz questão de frisar que “as portas estão abertas”. Contudo, a ideia é a de que o parlamentar concorra à reeleição para deputado federal. “Também nunca houve convite para ele ser vice de Mendanha, como algumas pessoas têm dito.”

Em Goiás, o PL planeja eleger cinco deputados federais, entre eles Mofatto e Vitor Hugo. Apesar de o número ser considerado alto, tendo em vista que são 17 vagas em jogo, o presidente estadual do partido aposta nos “efeitos Bolsonaro e Mendanha”.

Nos bastidores, há rumores de que setores bolsonaristas insatisfeitos com o PL, por ser do chamado centrão, estariam cogitando filiação a uma outra legenda, como o PRTB. Ainda não está claro se essa chance existe no estado.

A reportagem tentou contato, sem sucesso, com Vitor Hugo, mas uma pessoa próxima a ele disse que o deputado federal, que, por ora, parece não ter planos de recuar de sua candidatura a governador, pretende estar no mesmo partido de Bolsonaro.

Fonte: O Hoje.

print