Menino que pediu novo coração ao Papai Noel é 1º transplantado infantil de programa entre Hospital Albert Einstein e SUS

O pequeno Gladson Garcia Silva, de 8 anos, escreveu sua cartinha de pedidos para o Papai Noel de um leito no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, no começo de dezembro de 2021. Os desejos foram, nesta ordem: um coração novo, um boneco do Superman, um carrinho de controle remoto e um dinossauro. Alguns dias depois, o principal pedido foi realizado. O menino, que sofria de uma miocardiopatia, recebeu um novo coração – o primeiro transplante cardíaco infantil realizado pelo hospital em que ele estava internado.

O procedimento também foi o primeiro feito por meio do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS), uma aliança entre seis hospitais de referência no Brasil e o Ministério da Saúde.

O diagnóstico da doença chegou apenas dois meses antes da cirurgia. “Descobri da pior forma possível, meu filho podia ter morrido dentro de casa”, contou a mãe de Gladson, Ana Camila da Silva, de 31 anos. Ela disse que os primeiros sintomas eram semelhantes a uma virose, com vômitos e dor de barriga, e que não passavam.

Em carta para o Papai Noel em dezembro, Gladson pediu um novo coração e também um boneco, um carrinho e um dinossauro — Foto: Arquivo pessoal

Em carta para o Papai Noel em dezembro, Gladson pediu um novo coração e também um boneco, um carrinho e um dinossauro — Foto: Arquivo pessoal

 

No começo de outubro, quando o filho começou a passar mal, Ana o levou para uma unidade de saúde de São Mateus, cidade do Espírito Santo onde a família mora. Após uma saga por emergências, insistência da mãe por exames e atendimentos, e uma transferência para um hospital de Vitória, veio o diagnóstico: a miocardiopatia não tinha cura. Apenas um transplante salvaria a criança. Esta é uma condição na qual o coração desenvolve um tamanho maior do que o comum para a idade. No caso de Gladson, não foi um problema congênito (que nasceu com ele), mas desenvolvido em algum momento da vida.

Em 16 de novembro, o menino foi transferido de UTI móvel de Vitória para o Hospital Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, e ficou à espera de um novo órgão. “Normalmente o transplante cardíaco infantil é uma via final de qualquer tipo de tratamento”, disse o cardiologista do Einstein, Gustavo Foronda.

O médico também destaca a dificuldade em encontrar doadores. “O que a gente tem realmente dificuldade no transplante cardíaco infantil são os doadores, em conseguir o órgão. Culturalmente, uma criança doar um órgão é emocionalmente difícil para a família que acabou de perder o filho, ter essa ideia de doar.”

Em 11 de dezembro, Ana recebeu uma ligação do doutor Gustavo: “Estou te ligando para te dar uma boa notícia, consegui um coração para o seu filho”. Quando um novo órgão aparece, a cirurgia precisa ser imediata. No mesmo dia, Gladson recebeu um novo coração.

Para a mãe, foi como receber uma nova oportunidade da vida. “Uma chance de poder fazer o que você, como mãe, pensa: ‘Queria ver meu filho grande’.”

Na semana passada, em 10 de janeiro, Gladson teve alta médica. Como o acompanhamento médico ainda é semanal, ele e a mãe ainda não têm data para voltar ao Espírito Santo, e estão na Casa do Coração, uma associação de assistência a crianças e adolescentes cardíacos e transplantados.

Gladson, primeira criança a receber um novo coração no Einstein, e seu cardiologista, o médico Gustavo Foronda — Foto: Arquivo pessoal

Gladson, primeira criança a receber um novo coração no Einstein, e seu cardiologista, o médico Gustavo Foronda — Foto: Arquivo pessoal

“Agora ele está doidinho para andar por São Paulo inteiro, quer ir no zoológico, quer ir ao shopping. Passear mesmo, quer ir à praia. E quer muito ver os irmãos”, contou a mãe. Gladson tem três irmãos menores que estão no Espírito Santo com o pai e a avó.

Além de proporcionar uma nova vida para a criança, o primeiro transplante feito pelo Einstein e pelo Proadi-SUS também representa um legado para o sistema público.

“Tanto para o Einstein quanto para o Proadi-SUS, a partir do momento que a gente faz um procedimento com sucesso como foi feito o do Gladson, isso começa a abrir portas para outras instituições aprenderem com a gente o modo de realização do procedimento. Conseguimos ampliar e difundir esse conhecimento”, disse Foronda.

“Fiquei superfeliz, muito agradecida. Que através do meu filho, outras crianças possam ser beneficiadas e ajudadas”, disse Ana. Ela conta que poder realizar o processo pelo SUS foi essencial, já que não conseguiria arcar com os custos. Os valores dependem do tempo de internação, mas o procedimento pela rede particular pode chegar a meio milhão de reais.

Segundo a Central de Transplantes do Estado de São Paulo, atualmente, no estado, há 157 pessoas na lista de espera por um coração, sendo 23 de pacientes menores de 18 anos. A central reforça que doar órgãos e tecidos é fundamental para ajudar a salvar vidas.

Gladson, de 8 anos, no dia em que recebeu alta do Hospital Albert Einstein, após receber novo coração  — Foto: Arquivo pessoal

Gladson, de 8 anos, no dia em que recebeu alta do Hospital Albert Einstein, após receber novo coração — Foto: Arquivo pessoal

Ana Camila da Silva, mãe de Gladson, com o filho em São Paulo para o transplante de coração. Família é do Espírito Santo — Foto: Arquivo pessoal

Ana Camila da Silva, mãe de Gladson, com o filho em São Paulo para o transplante de coração. Família é do Espírito Santo — Foto: Arquivo pessoal

 

Fonte: Portal G1.

print