Goianésia recusa proposta do Goiás por parte que lhe cabe no atacante Michael

O Goianésia E.C recusou a proposta do Goiás para o pagamento da dívida que o clube esmeraldino tem com o Azulão do Vale pelo pagamento da última parcela da venda do atacante Michael, em 2020 para o Flamengo.

Agora, a equipe alviverde aguarda o parecer da Câmara Nacional de Resolução de Disputas (CNRD) para saber se poderá ou não regularizar seus reforços para a estréia do Campeonato Goiano. O time tem até o fim da tarde desta terça-feira, 25, para inscrever os atletas.

A proposta do Goiás foi de pagar a dívida de R$ 719.698,32 com um depósito de 30% do valor (R$ 215.909,49) e parcelar o restante da dívida em seis vezes. O depósito da entrada já foi feito e o Azulão do Vale recebeu cerca os 30% no início da semana passada.

O Goiás aguardava uma resposta positiva do Goianésia para ficar livre, de forma imediata, e poder transferir. O clube esmeraldino foi o único dos participantes do Campeonato Goiano que não regularizou os reforços para a disputa do Estadual.

O clube acertou a contratação de seis jogadores: os zagueiros Caetano e Éverson, o lateral direito Maguinho, o volante Auremir e os atacantes Vinicius e Pedro Raul, mas ainda não sabe se poderá utilizar os atletas na estreia do Goianão, nesta quarta-feira (26), diante do Grêmio Anápolis, no estádio Jonas Duarte.

A dívida do Goiás com o Goianésia é de parte do valor acertado na venda de 5% que o Azulão tinha dos direitos econômicos de Michael, em 2020. Após vender os 75% que tinha do jogador ao Flamengo em janeiro de 2020, o clube esmeraldino comprou os 5% do Goianésia, cerca de um mês após a transferência do atacante para o time carioca.

 Por essa dívida, inclusive, o Goianésia notificou o Flamengo pedindo retenção do valor referente aos 5% dos direitos econômicos que o Goiás tem do atacante Michael em uma eventual transferência do jogador para o Al Hilal, da Arábia Saudita.

Fonte: Poder Goiás.

print