De alimentação a boletos, alta da inflação preocupa 95% da população

Da compra de comida à necessidade de remédios, do gás de cozinha de cada dia até a conta de luz mensal, passando por gastos supérfluos, como TV a cabo, o brasileiro tem sentido dificuldade para pagar os boletos. A percepção de que o mesmo salário recebido há seis meses vale cada vez menos e torna a vida mais difícil a cada dia agora virou experiência compartilhada por praticamente todos os brasileiros.

De acordo com a Pesquisa Comportamento e Economia no Pós-pandemia, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) ao Instituto FSB de Pesquisa, 95% dos brasileiros têm sentido a alta generalizada de preços nos últimos seis meses. A percepção de inflação aumentou 22 pontos percentuais na pesquisa de abril em relação à de novembro passado, quando 73% dos entrevistados afirmaram ter percebido aumento nos preços.

Do total, 87% dos entrevistados até 5 de abril perceberam que a inflação aumentou muito. Em novembro, essa era a opinião de 51% dos entrevistados. O maior incremento nas contas se deu na tarifa de energia elétrica (59%); na compra do gás de cozinha (56%); e no arroz e feijão (52%). Veja lista do que mais tem pesado no bolso dos brasileiros:

Gastos população CNI

Gastos população CNI

Situação financeira afetada

A percepção de aumento do custo de vida e nos preços em geral é comum em diversos perfis etários e de escolaridade. Ao todo, 76% dos entrevistados afirmaram que a situação financeira foi prejudicada pela inflação. Hoje, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) está em 11,30% no acumulado de 12 meses.

É o maior índice acumulado desde 2003. Somente em março, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a alta foi de 1,62%, percentual puxado pelo aumento nos combustíveis e agravado pela guerra entre a Rússia e a Ucrânia.

Segundo a pesquisa da CNI, divulgada nesta quarta-feira (20/4), as pessoas que se sentem mais afetadas são aquelas sem escolaridade, com renda de até um salário mínimo, e os moradores do Nordeste.

Redução de gastos

Ainda segundo os dados da CNI, 64% da população reduziu gastos nos últimos seis meses. As considerações do estudo são de que é um percentual muito alto, principalmente quando se considera que, em novembro, 74% dos brasileiros já tinham diminuído os gastos.

Os brasileiros cortaram das despesas, principalmente, investimentos, melhorias em suas casas e gastos supérfluos.

Para conseguir arcar com gastos crescentes e inevitáveis, como a conta de luz, o gás de cozinha, a cesta básica e remédios, 34% dizem ter deixado de comprar material de construção. Outros 29% cancelaram TV por assinatura; 12% cortaram a conta de celular; 24% deixaram de fazer refeições fora de casa; 23% deixaram de comprar eletrodomésticos; 15% deixaram de consumir combustível; e 15% deixaram de comprar roupas e sapatos.

Reprodução/CNI

Redução de gastos

 

“A guerra travada na Ucrânia trouxe mais incertezas para a economia global, o que impulsiona a inflação e desperta o temor de retrocesso da economia em todo o mundo. Diante dessa conjuntura tão difícil quanto indesejada, o Brasil precisa adotar as medidas corretas para incentivar o crescimento econômico, a geração de empregos e o aumento da renda da população. A principal delas é a reforma tributária”, considera o presidente da CNI, Robson Braga de Andrade.

 

Fonte: Metrópoles.

print