EUA retiram recomendação de “não viajar” ao Brasil por conta da Covid-19

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos disse nesta segunda-feira (18) que retirou suas recomendações de “não viajar” pela Covid-19 para cerca de 90 destinos internacionais.

Na semana passada, o CDC disse que estava revisando suas recomendações de viagem e disse que reservaria seus avisos de saúde de viagem de Nível 4 “para circunstâncias especiais, como trajetória de casos em rápida escalada ou contagens extremamente altas de casos”.

Os países e outras regiões caíram para o “Nível 3: Alto”, que ainda desencoraja as viagens de americanos não vacinados, incluindo Brasil, Reino Unido, França, Israel, Turquia, Austrália, Grécia, Hong Kong, Itália, Japão, Coréia do Sul, Espanha e Rússia.

Também estão sendo reduzidos a Suíça, Áustria, Bélgica, Bulgária, República Centro-Africana, Chile, República Tcheca, Jordânia, Líbano, Nova Zelândia, Noruega, Portugal, Polônia, Somália, Uruguai e Vietnã.

Atualmente, o CDC não lista nenhum país no “Nível 4” que renomeou como “Circunstâncias especiais/não viajar”.

O Departamento de Estado dos EUA disse na semana passada que também estava cortando drasticamente os avisos “Não Viaje” para destinos internacionais.

Dos cerca de 215 países e territórios que classifica, o departamento atualmente lista cerca de 120 no “Nível Quatro: Não Viaje”, incluindo grande parte da Europa, Japão, Israel e Rússia.

O departamento disse na semana passada que sua atualização prevista para segunda-feira “deixará aproximadamente 10% de todos os avisos de viagem no Nível 4”, incluindo todos os fatores de risco, não apenas a Covid.

“Acreditamos que a estrutura atualizada ajudará os cidadãos dos EUA a tomar decisões melhor informadas sobre a segurança das viagens internacionais”, afirmou em comunicado.

As companhias aéreas e outros grupos de viagens têm pressionado o governo Biden a suspender os requisitos de teste negativo de Covid antes da partida para viajantes internacionais, como muitos outros países fizeram. Eles também argumentaram que os avisos de Não Viajar eram desnecessários e desencorajavam as viagens.

Funcionários do governo dizem que a questão está sob revisão, mas as autoridades de saúde não anunciaram mudanças.

 

Fonte: CNN Brasil.

print