Ex-padre condenado por estupro de dependente químico é preso em Quirinópolis

Um ex-padre, de 56 anos, condenado por estupro contra um dependente químico, de 33, foi preso em Quirinópolis, no sudoeste de Goiás. Segundo a Polícia Civil, crime aconteceu em 2014, e a vítima estava internada em uma clínica de recuperação em que ele gerenciava.

À TV Anhanguera, Lucias Biela, que é o advogado do ex-padre Jaso Ribeiro da Silva Júnior, informou que estuda medidas para o cumprimento da pena (nota na íntegra ao fim do texto).

A prisão do homem aconteceu na terça-feira (27). De acordo com a PC, na data da condenação, ele recebeu uma pena de 13 anos, chegou a ser preso, mas entrou com recurso, que diminuiu a pena, e respondia em liberdade. Não foi informado quando ele deixou de exercer a função de padre.

Ex-padre preso em Quirinópolis, Goiás — Foto: Divulgação/PCGO

Ex-padre preso em Quirinópolis, Goiás — Foto: Divulgação/PCGO

O delegado responsável pelo caso, Danilo Fabiano de Carvalho, disse que o paciente tomou os remédios achando que fazia parte do tratamento, e só no dia seguinte, percebeu que havia sido abusado.

“Segundo as provas, ele já estava afastado na data do fato, mas não tem a informação de quando foi. A clínica era gerida por ele e tinha finalidade filantrópica, sem vínculo com a igreja”, disse o delegado.

Conforme a PC, na última terça-feira (12) o processo acabou em trânsito e julgado – finalizado- por não caber mais recursos e a pena da condenação ficou sendo de 9 anos de prisão em regime fechado, o que levou a prisão do homem. Ele segue detido no presídio da cidade.

Nota da defesa do ex-padre

 

“O Sr. Jaso, foi notificado acerca da diligência pela delegacia competente e recebeu com a serenidade e consciência que lhe pertence, a informação da existência de mandado para cumprimento de decisão em uma ação que tramita no Judiciário desde o ano de 2014. Ato contínuo, deu ciência e decidiu pelo imediato cumprimento da determinação na data de ontem, sendo resguardado o respeito à sua integridade e no momento aguarda o parecer técnico da sua equipe de defesa, que buscará a medida cabível a ser aplicada ao caso”.

Fonte: Portal g1 Goiás.

print