Abel diz que sua carreira de técnico dentro do Brasil acabou. Exceção pode ser o exterior ou cargo de direção

Abel Braga procurou o diretor-executivo do Fluminense, Paulo Angioni, na noite de quarta-feira, para dizer que não estava feliz. Percebia o desgaste. A torcida reclamava, o desempenho não melhorava, na sua avaliação desde o jogo do título contra o Flamengo. Importante lembrar que, no empate por 1 a 1 que garantiu o título estadual, o tricolor pressionou o rubro-negro como não se imaginava.

A saída de Abel produz a quinta mudança de técnico do Campeonato Brasileiro, em apenas três rodadas. Também pode marcar o final da carreira do treinador mais longevo da Série A do Brasileirão. “Se não for fora do país, a minha carreira como treinador, aqui dentro acabou. Eu não quero mais”, diz Abel Braga. “Já tive convites para diretor técnico, diretor de transição. Algo como o Muricy está fazendo no São Paulo”, ele afirma.

Ou seja, trabalhando na organização, não mais no campo.

Quem deve ser o novo treinador do Fluminense após a saída de Abel Braga?

Aos 69 anos, Abel é técnico na elite do Campeonato Brasileiro desde 1985, quando assumiu o comando do Botafogo, depois do pedido de demissão de Jorge Vieira. É técnico de Série A há 37 anos. Felipão estreou em 1982, no CSA, mas está fora da elite desde 2019. Geninho estreou em 1979, na Francana, Brasileirão de 94 clubes, tem trabalhos recentes, mas na Segunda Divisão.

Se confirmar o final da carreira, o último trabalho de Abel será marcado por um título. Com debates entre torcedores do Fluminense, muitos sem gostar do atual nível da equipe, mas com um troféu que o clube não conquistava havia dez anos.

Fonte: Portal Ge.

print